Últimas

Banda Bixiga 70 apresenta disco composto a 20 mãos

Publicidade

Os dez integrantes do grupo paulistano de música instrumental Bixiga 70 são taxativos em afirmar que estão mais juntos do que nunca.

A união está explícita na ficha técnica do terceiro disco, outra vez batizado com o nome da banda: tudo foi composto, arranjado e produzido em grupo, enquanto antes cada um trazia um tema a ser trabalhado. “Chegamos a um lugar coletivo graças à dinâmica desses cinco anos juntos”, diz o baterista Décio 7.

“Bixiga 70”, a ser lançado no Sesc Pompeia nesta quinta (16) e sexta (17), marca uma maturidade em que influências se diluem no groove instrumental do grupo. Musicalidades nordestinas, africanas, de jazz, cúmbia, e funk se unem num caldo grosso.

Marlene Bergamo/Folhapress
Os dez membros do Bixiga 70, que lança novo disco
Os dez membros do Bixiga 70, que lança novo disco

O disco traz uma novidade em relação às composições, desta vez feitas em estúdio, enquanto antes eram compostas em ensaios e passagens de som. “Chegamos ao estúdio sem ideias. Tudo surgiu do zero”, diz o guitarrista e tecladista Maurício Fleury.

Após a terceira turnê europeia, em 2014, o Bixiga 70 descobriu que tinha prazo estreito para entregar o disco, contemplado por edital, e se enfurnou por 45 dias em seu estúdio-casa, o Traquitana.

No número 70 da rua 13 de maio, no Bixiga, o estúdio é a razão de existência da banda, que começou quando Décio e o guitarrista Cris Scabello tomaram conta do lugar. A história do endereço remete à virada dos anos 60 para os 70, quando ali ficava o bar Telecoteco da Paróquia, frequentado por músicos. Reza a lenda que Sarah Vaughan e Stevie Wonder cantaram lá.

Forte influência no trabalho veio da parte final da viagem de 2014, passando pelo Marrocos. “Teve um cara que tive de pedir para me ensinar como tirar microtons africanos do saxofone”, diz o saxofonista Cuca Ferreira.

A banda divide os trabalhos fora dos palcos: Cris faz a administração; Maurício cuida de mídias sociais e negocia turnês pela Europa, função dividida com o saxofonista Daniel Nogueira, que ainda faz divulgação nos EUA; Décio e o trompetista Daniel Gralha gerenciam técnica e logística de shows. Há ainda o baixista Marcelo Dworecki, o trombonista Douglas Antunes e os percussionistas Rômulo Nardes e Gustávo Cék.

BIXIGA 70
ARTISTA Bixiga 70
GRAVADORA independente
QUANTO gratuito, para download no site bixiga70.com.br
LANÇAMENTO qui. (16) e sex. (17), no Sesc Pompeia, ingressos esgotados

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *