Últimas

E-mails da Sony revelam lobby, rixas e que brasileiro gosta é dos vilões

Publicidade

Os brasileiros gostam mais do Homem-Aranha do que do Capitão América, que acham “careta e piegas”, e exigem mais vilões do que beijos e romances nos filmes de super-herói. Já a manobra de Dilma para regular o uso da internet? “Ascensão bolchevique.”

É um pouco do que revelam mensagens confidenciais dos estúdios Sony sobre o Brasil.

Na quinta-feira (16), mais de 30 mil documentos e 173 mil e-mails dessa multinacional, que haviam vazado em novembro de 2014, foram organizados em um sistema de buscas pelo WikiLeaks, o grupo de Julian Assange que publica informações secretas de governos e corporações.

Entre os e-mails vazados, 1.052 mencionam o “Brazil”. A reportagem da Folha leu todos. A maioria relata o desempenho de filmes da Sony no país, mas também há mensagens sobre os gostos dos nativos, críticas ao governo Dilma e até queixas do diretor José Padilha (“Robocop”).

Os dados caíram na rede no ano passado após ataque hacker motivado pela estreia do filme “A Entrevista”, cuja trama trata do assassinato do ditador norte-coreano Kim Jong-un. O material foi retirado do ar na época, mas agora foi republicado no site de Assange.

“Os arquivos da Sony mostram que nos bastidores há uma corporação influente, com relações com a Casa Branca, capacidade de influenciar leis e políticas e com conexões com o complexo militar e industrial dos EUA”, diz comunicado do WikiLeaks em sua página oficial.

O texto justifica a publicação dos dados afirmando que a Sony mantém relações com o Partido Democrata, organizando jantares com Barack Obama e fazendo lobby em questões como acordos comerciais, regulação da internet, pirataria e direito autoral. “Os dados pertencem ao público, e o WikiLeaks vai garantir que isso assim permaneça”, diz Assange no comunicado.

Divulgação
Cena de 'O Espetacular Homem-Aranha 2': brasileiros preferem o herói aracnídeo ao Capitão América, segundo e-mails
‘O Espetacular Homem-Aranha 2’: brasileiros preferem o aracnídeo ao Capitão América, segundo e-mails

CRÍTICAS AO GOVERNO

Entre os dados vazados sobre o país, há detalhes sobre a repercussão na imprensa de filmes da Sony e gastos com viagens patrocinadas para jornalistas cobrirem lançamentos de longas no exterior.

Um exemplo: uma passagem de R$ 3.798 mais R$ 4.875 de hotel para um repórter da “Ilustrada” ir a Los Angeles entrevistar a equipe de “O Espetacular Homem-Aranha 2” em 2013. Como é de praxe, a Folha informou na ocasião que o jornalista tinha viajado a convite.

As mensagens também revelam embates dos estúdios com o governo brasileiro.

O e-mail de um chefe de tecnologia da Sony classifica de “ascensão bolchevique” a iniciativa da presidente Dilma Rousseff de regular o uso da internet por meio do Marco Civil, aprovado em abril de 2014.

Também há mensagens sobre uma rixa entre a Sony e a Ancine, a agência que regula o setor audiovisual no Brasil.

A disputa diz respeito à digitalização de salas de cinema do país. A transição de tecnologia envolve contratos entre os exibidores e os distribuidores (como a Sony). Mas a Ancine fiscaliza os acordos para evitar a formação de cartéis.

Quando a agência abriu consulta pública em seu site para debater os termos da digitalização, alguns dos executivos da Sony acharam melhor que a empresa não se manifestasse. “Estão preocupados que comentar seria o mesmo que admitir que a Ancine tem poder nessa área”, informa uma das mensagens vazadas.

A MPA (Motion Picture Association), que reúne os seis maiores estúdios de cinema hollywoodianos —Disney, Warner, Sony, Fox, Paramount e Universal— também manteve reuniões com parlamentares e secretários de governo, segundo revelam os e-mails.

A entidade teria frisado questões como “proteção da propriedade intelectual” em encontro com o então senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), que presidia a comissão para a reforma do Código de Defesa do Consumidor no Senado.

Com Mario Borgneth, ex-secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, a MPA buscava apoio federal para um programa de treinamento -a mensagem não dá mais detalhes sobre como seria.

A Folha tentou entrevistar Ricardo Castanheira, presidente da MPA na América Latina e que teria participado das reuniões, mas foi informada que ele está em viagem.

Procurado, o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel, não foi localizado até o encerramento desta edição. A reportagem questionou a Sony sobre os e-mails, mas a assessoria informou que a empresa não se pronunciará.

Perdida entre tantas mensagens vazadas, há uma queixa de um cliente brasileiro, insatisfeito com sua TV, que acionou a cúpula da Sony: “Quero uma nova urgentemente”, escreve. Os e-mails não revelam se conseguiu.

O QUE OS E-MAILS DA SONY REVELAM SOBRE O BRASIL:

Capitão América piegas:
“Os brasileiros claramente preferem o Homem-Aranha ao Capitão América, que eles gostam, mas acham entediante por ser um pouco careta e piegas.” (De uma troca de e-mails sobre como um grupo de brasileiros reagiu aos trailer de “O Espetacular Homem-Aranha 2”)

Beijos? Eles querem vilões!
“O que estamos fazendo para focar vilões? Confirmamos a ida de Jamie [Foxx, que interpreta o vilão Electro em “O Espetacular Homem-Aranha 2″] para o Brasil? Estamos certos de que nosso trailer não é muito romântico para o Brasil? Disseram que eles [brasileiros] não gostam muito de beijos, romance…” (Da vice-presidente da Sony, Amy Pascal, para outros executivos)

Mais vilões:
“Brasileiros querem mais texturas e camadas no universo do Homem-Aranha. Múltiplos inimigos e a noção do Homem-Aranha assumindo a responsabilidade são muito importantes para a comunicação.” (De uma troca de e-mails sobre como um grupo de brasileiros reagiu aos trailer de “O Espetacular Homem-Aranha 2”)

Dilma bolchevique:
“Dilma Rousseff quer tirar o controle da internet do comando americano […] Gostaria de achar uma analogia, mas só me veio à cabeça a ascensão dos bolcheviques.” (Do departamento de tecnologia da Sony, sobre o Marco Civil da Internet)

Rixa com a Ancine:
“Alguns estão preocupadas com o fato de que comentar seria o mesmo que admitir que a Ancine tem poder nessa área.” (De executivos, sobre a consulta pública aberta pela Ancine para tratar da digitalização das salas de cinema)

“Robocop” no Festival de Berlim:
“Lamento informar que não estrearemos em Berlim. Talvez tenha sido a decisão correta, talvez não. Acho que não foi a correta.” (Do diretor brasileiro José Padilha conversando com executivos da Sony sobre o fato de “Robocop” não ter conseguido estrear no Festival de Berlim)

“Quero uma TV nova”:
“Gostaria de pedir a ajuda de vocês porque eu comprei um televisor no Brasil e ele apresentou problemas com apenas seis meses de uso. No Brasil tudo demora muito e eu preciso de uma televisão nova urgentemente.”
(De um cliente brasileiro insatisfeito que contatou a cúpula da Sony)

Colaborou GABRIELA SÁ PESSOA

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *