Últimas

Em jogo suspeito, Atlético-IB e Avaí empatam e escapam juntos da queda

O 0 a 0 deste sábado entre Atlético de Ibirama e Avaí, pela última rodada do quadrangular do descenso do Campeonato Catarinense, foi recebido com desconfiança. Antes mesmo do pontapé inicial, as duas equipes sabiam que um empate salvaria ambas do rebaixamento – foi o que aconteceu.

Ao fim da quinta rodada (do total de seis), Avaí e Atlético de Ibirama ocupavam as duas primeiras posições, com nove pontos cada. O Guarani de Palhoça tinha seis, e só escaparia da queda caso vencesse o Marcílio Dias na última rodada, beneficiado ainda por uma eventual vitória no jogo em Ibirama.

Jogando em casa, o Guarani fez sua parte e venceu por 1 a 0, graças ao gol marcado por Vitinho no segundo tempo. No outro jogo da rodada, porém, um duelo de poucas oportunidades acabou terminando sem gols, rebaixando Guarani e Marcílio. Protagonistas do 0 a 0, Atlético de Ibirama e Avaí se salvaram.

A torcida presente ao Estádio Hermann Aichinger percebeu o pouco empenho das duas equipes e começou a vaiar no segundo tempo. Parte do público presente deixou o local mais cedo.

O técnico do Avaí, Gilson Kleina, descartou qualquer armação entre as duas equipes para evitar o rebaixamento de uma delas. Após o jogo, em entrevista coletiva, o treinador admitiu que as equipes adotaram uma postura excessivamente cautelosa, mas negou um possível “jogo de compadres”.

“Não vi nenhum tipo de jogo em um que um (time) amoleceu, combinou. Se aconteceu, não foi comigo”, assegurou Kleina – que, no entanto, reconheceu que “o jogo não se tornou um jogo agressivo pelas duas partes”.

Segundo o técnico, o Avaí adotou uma postura defensiva para evitar que uma derrota pudesse rebaixá-lo nos critérios de desempate – o Avaí terminou o quadrangular com salgo de 6 gols, enquanto o Guarani de Palhoça foi rebaixado com -1.

“Se acontece uma goelada aqui e uma goleada lá, a gente poderia ter sido rebaixado no campeonato”, disse, rebatendo as vaias dos torcedores avaianos. “A torcida teria que vaiar se voltássemos para o descenso. Aí seria vexame”, completou.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *