Últimas

Empresas pedem acordo para evitar dupla tributação

Grandes empresas, como Embraer, Odebrecht, Natura e Weg, voltaram a cobrar do governo a criação de políticas públicas para conter o desinvestimento feito pelas companhias brasileiras com atuação no exterior.

Reunidas em um fórum criado pela CNI, as empresas apresentaram um pacote de reivindicações ao ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

Entre 2011 e 2013 (dado mais atualizado), os aportes realizados pelas companhias em outros mercados registraram uma sequência de saldos negativos, com pico para 2013: US$ 3,5 bilhões (R$ 10,5 bilhões, na cotação atual).

Os dados são da CNI a partir de informações da Unctad (braço da ONU para o comércio e desenvolvimento).

“Uma empresa não deixa de exportar e nem de criar empregos quando se instala em outros países”, diz José Rubens de La Rosa, coordenador do Fórum das Empresas Transnacionais (FET) e CEO da Marcopolo.

“A companhia fica mais competitiva e inova sua matriz.” Do documento constam pedidos pela aprovação de leis de tributação sobre o lucro de empresas e funcionários no exterior.

“É mais difícil fazer negócios num outro ambiente extremamente competitivo com carga tributária dobrada”, afirma De La Rosa.

O ministro Armando Monteiro afirmou, por meio de sua assessoria, que o Plano Nacional de Internacionalização, que será lançado nos próximos dias, contemplará parte das reivindicações apresentadas pelas empresas.

O Brasil fechou 2013 com um estoque de investimentos no exterior de US$ 272,9 bilhões (R$ 821,4 bilhões, na cotação atual).

*

Lucro em tempos difíceis

A Mexichem Brasil, fabricante de tubos plásticos e dona das marcas Amanco, Bidim e Plastubos, investe R$ 164 milhões em um projeto de expansão no Estado de São Paulo.

Parte do aporte é destinada à implantação de uma nova linha de caixas d’água na fábrica de Sumaré (a cerca de 120 km da capital).

Com o investimento, a capacidade de produção da mercadoria será cinco vezes maior do que a atual. Poderão ser fabricadas 160 mil unidades por ano.

“Não tenho dúvida [de que a crise hídrica alavancará as vendas do produto]. O problema [de falta de água] não vai acabar tão cedo e irá gerar demanda no mercado”, diz o presidente da companhia, Maurício Harger.

Sobre um possível efeito negativo da desaceleração imobiliária no setor, o executivo afirma que não deverá ser tão prejudicial.

“O país ainda tem um grande deficit habitacional e esse é um produto básico.”

R$ 1,74 bilhão foi o faturamento da companhia no ano passado no Brasil

12% foi o crescimento na comparação com 2013

3.000 são os trabalhadores no pais

9 é o número de fábricas no Brasil

US$ 5,583 bilhões foram as vendas globais em 2014, o equivalente a R$ 16,8 bilhões no câmbio atual

*

Avaliação dos consumidores

O Brasil está entre as nações cuja população avaliou da pior forma a situação econômica em março. Dos entrevistados pela Ipsos no país, 11% consideraram bom o panorama atual.

Apenas a França e a Itália registraram parcelas menores –9% cada uma.

O Japão, apesar de ainda estar entre os pessimistas, com 31%, teve o maior incremento de fevereiro para março: cinco pontos percentuais.

A África do Sul, por sua vez, registrou a maior queda –nove pontos percentuais– e ficou com 18%. A média global foi de 39%.

Em relação ao futuro, o Brasil permanece entre os mais otimistas. Pouco mais de 50% dos ouvidos afirmaram que a economia do local onde vivem deve melhorar nos próximos seis meses.

Apenas Índia e Arábia Saudita ficaram à frente, com 67% e 66%, respectivamente.

*

Novo… Luiz Gonzaga Bertelli acaba de ser nomeado presidente do conselho de administração do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola). Bertelli estava à frente da presidência-executiva da entidade há 20 anos.

…estágio O executivo sucederá Ruy Martins Altenfelder Silva para um mandato de três anos. Nas últimas duas décadas, o número de jovens aprovados em estágios por ano saltou de 40 mil para 375 mil, segundo o CIEE.

Química… A Braskem vai lançar um projeto em parceria com a organização sem fins lucrativos Endeavor para incentivar start-ups a desenvolverem soluções inovadoras para saúde, moradia e mobilidade por meio do uso do plástico.

…empresarial Serão selecionadas até 20 ideias para participar de uma capacitação com duração de 45 dias. Dois modelos de negócios serão finalistas. O público-alvo são universitários, além de pequenos e médios empresários.

com LUCIANA DYNIEWICZ, LEANDRO MARTINS, ISADORA SPADONI e DHIEGO MAIA*

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *