Últimas

Líderes da UE triplicam recursos de missão de vigilância no Mediterrâneo

Bruxelas – Os chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) decidiram nesta quinta-feira triplicar o orçamento da operação de vigilância marítima “Tritão”, que atualmente é de 2,9 milhões de euros mensais, para reforçar o resgate de imigrantes ilegais no mar. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, informou ao término da cúpula que “os líderes da UE decidiram triplicar os recursos disponíveis para “Tritão”, a operação no Mediterrâneo central, e suas capacidades operacionais”.


Cerca de 700 imigrantes desaparecem no Mediterrâneo, após naufrágio


Europa promete agir sobre crise de imigrantes após desastre no Mediterrâneo


Imigrantes que tentam atravessar Mediterrâneo devem chegar aos 450 mil


‘Operación Mare Nostrum’: embarcação repleta de imigrantes resgatados a poucas milhas da costa da Líbia

Foto:  World Press Photo 2014

De acordo com Tusk, os países “já se comprometeram a enviar mais navios, mais especialistas, mais aviões e mais recursos”. Segundo ele, os países debateram sobre “a situação dramática do Mediterrâneo”, onde nas últimas semanas morreram mais de mil pessoas que tentavam chegar ao território europeu pela costa da Líbia.

“Que fique claro que salvar a vida de pessoas inocentes é a prioridade número 1 da União Europeia, mas salvar não é apenas resgatar de alto-mar, também é parar os contrabandistas e combater o tráfico de pessoas”, ressaltou o ex-primeiro-ministro polonês.


Cerca de 20 mil imigrantes chegaram à costa italiana, de acordo com estimativas da Organização Internacional para Migrações

Foto:  Reuters

Tusk também declarou que “é preciso desanimar os imigrantes, o que significa maior cooperação, principalmente com os países em torno da Líbia”. Para ele, a “Europa não causou esta crise, mas o verão está próximo e é preciso agir”, disse em referência à chegada do bom tempo, quando aumentam os fluxos migratórios rumo ao sul da Europa.

Os líderes pediram à alta representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, que “prepare ações para capturar e destruir os navios dos traficantes para que não possam ser utilizados, de acordo com a lei internacional e os direitos humanos”. “Se o dinheiro não for suficiente, o aumentaremos”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel, confirmando que a Alemanha oferecerá dois navios para contribuir com os trabalhos de resgate de imigrantes nas águas do Mediterrâneo.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *