Últimas

No aniversário de morte de Antonio Gramsci, conheça o pensador marxista


27/04/2015

10h29


da Livraria da Folha

Com a ascensão do fascismo na Itália, apesar de sua imunidade parlamentar, Antonio Gramsci foi preso em 1926, recebendo a sentença de 20 anos de prisão. Doente, ganhou liberdade condicional para se tratar, mas morreu pouco tempo depois, em Roma, no dia 27 de abril de 1937, aos 46 anos.

Gramsci mesclou o pensamento de Marx e de Maquiavel, o que resultou em uma estratégia política original, adotada pela esquerda de diversos países. Ele defendia que a tomada do poder seria necessariamente precedida por uma mudança de mentalidade, essa transformação aconteceria por meio das escolas e seus agentes seriam os intelectuais.

Divulgação
Gramsci escreveu mais de 30 cadernos de história e análise durante a prisão
Gramsci escreveu mais de 30 cadernos durante a prisão

Nascido em família pobre no norte da Sardenha, Gramsci foi vítima de uma doença que prejudicou seu crescimento e o deixou corcunda. Aos 21 anos, estudou letras na Universidade de Turim. Entrou no Partido Socialista em 1913 e passou a escrever para o jornal de esquerda “L’Avanti”.

Rompeu com o partido em 1919, quando começou a militar nas fábricas. Com Amadeo Bordiga, em 1921, fundou o Partido Comunista Italiano. Conheceu a violinista Giulia Schucht, com quem teve dois filhos, em uma viagem à Rússia, em 1922.

Nos “Cadernos do Cárcere”, ou “Cartas do Cárcere”, Gramsci apresenta as ideias da teoria educacional e coloca o Partido Comunista como o novo príncipe, o condottiero. Segundo o autor, as ações para tomar o Estado só poderiam ser julgadas à luz de sua utilidade para a revolução.

Escritos nos anos em que esteve preso pelo regime de Mussolini –com linguagem cifrada, conceitos e expressões novas para despistar a censura fascista–, esses textos trazem indicações de questões que deveriam ser desenvolvidas no futuro.

Esse período serviu como inspiração para a cinebiografia “Antonio Gramsci – Os Dias do Cárcere”, do cineasta Lino del Fra. O longa retrata a relação do pensador com os outros presos políticos e deixa evidente o rompimento com as práticas do stalinismo, além dos momentos de criação dos “Cadernos” e de sua análise sobre a relação de Sociedade Civil e Estado. Abaixo, assista a um trecho de “Antonio Gramsci – Os Dias do Cárcere”.

Assista ao vídeo

*

Google Plus - Logo

ANTONIO GRAMSCI – OS DIAS DO CÁRCERE
DIRETOR Lino del Fra
DURAÇÃO 122 minutos
QUANTO R$ 29,90 (preço promocional*)

* Atenção: Preço válido por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques.


+ Conteúdo

+ Canais



Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *