Últimas

Operação do MP e Polícia Civil em três estados tem 26 presos

Rio – Pelo menos 24 pessoas foram presas em operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Polícia Civil no Rio, São Paulo e Minas Gerais, nesta quarta-feira. A ação, denominada Adren, é para desmantelar uma quadrilha acusada de praticar  crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa, roubo, extorsão e extorsão mediante sequestro. Entre os envolvidos, segundo as investigações, estão quatro policiais civis e dois policiais militares.


MP e Polícia Civil fazem megaoperação no Rio, São Paulo e Minas


GALERIA: Operação do MP e Polícia Civil tem 26 presos

As investigações começaram no início do ano passado a partir de um inquérito da 90ªDP (Barra Mansa) que apura o tráfico de drogas no Sul Fluminense. De acordo com o delegado Ronaldo Aparecido, a quadrilha traz drogas do Paraguai e distribui em cidades do Sul Fluminense, Minas Gerais e São Paulo, chegando a lucrar cerca de R$ 1 milhão por mês.


Agentes da Polícia Civil estiveram, nesta quarta-feira, no condomínio de um policial acusado de integrar a quadrilha

Foto:  Severino Silva / Agência O Dia

“Durante esses 14 meses fizemos diversas ações em que estouramos quatro refinarias de drogas, duas em São Paulo e duas no Sul Fluminense. Além disso, prendemos diversos traficantes e apreendemos drogas e material para o refino”, diz.

Os mandados estão sendo cumpridos no Sul Fluminense, Rio de Janeiro, São Paulo (capital e interior) e interior de Minas Gerais. De acordo com a denúncia, um núcleo da quadrilha com base na capital paulista e ligada a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) abastecia diversos traficantes da Região Sul Fluminense, que fazia a distribuição da droga no Estado do Rio de Janeiro. Os policiais civis Guilherme Dias Coelho (conhecido como “Guilherminho”), Pablo Bafa Feijolo e Clodoaldo Antônio Pereira, associados a outros traficantes, e por vezes com auxílio do também policial civil Ricardo Wilke, faziam o transporte, guardavam e mantinham entorpecentes em depósito, para fins de tráfico.

A denúncia aponta também que Guilherminho, ao lado dos policial militar Hugo Leonardo Guerra e do PM reformado conhecido como Gilson “Macarrão”, extorquiam e praticavam crimes patrimoniais contra os traficantes. Os policiais também investigavam outros criminosos a partir dos dados fornecidos por integrantes da quadrilha. Para não prendê-los, os agentes, em alguns casos, sequestravam os criminosos e tinham objetos como carros, eletrodomésticos e joias roubados. A devolução de parte desses pertences também era negociada pelo bando.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *