Últimas

Planalto confirma ida de Pepe para Secretaria Direitos Humanos

O Palácio do Planalto confirmou há pouco a transferência de Pepe Vargas para a Secretaria de Direitos Humanos. O comunicado oficial ocorre horas após o próprio ministro ter declarado, em entrevista a jornalistas, que aceitara o convite de Dilma para o cargo.

De acordo com a Secretaria de Imprensa, a presidente Dilma Rousseff “agradeceu o empenho, a lealdade e a competência da ministra Ideli Salvatti, que deixa o cargo”. A nota à imprensa não informa se Ideli irá ocupar outro cargo no governo.

Nessa terça-feira (7), a Secretaria de Relações Institucionais, pasta que era comandada por Pepe, passou a ter as atribuições comandadas pela Vice-Presidência da República.

Quando anunciou, nesta tarde, que aceitara o convite da presidente para assumir a secretaria, Pepe Vargas disse que ela fez uma opção por entregar a articulação política ao PMDB. “É inegável que em algumas matérias houve um ruído forte entre as posições do PMDB e as posições do governo. Evidente que esse ruído desorganiza e desestabiliza o conjunto da base”, afirmou, em referência ao trabalho que deve ser desempenhado pelo articulador político do governo.

Mais cedo, o vice-presidente Michel Temer, que vai agora acumular o comando da SRI, disse que as arestas do PMDB com o PT não serão aparadas “exatamente” porque ele assumiu. “Acho que a tendência natural é exatamente essa. Nós estamos com três meses do governo. Houve muitas conversações, o diálogo continua muito sólido. O Executivo só pode governar se tiver o apoio do Congresso Nacional. E eles [lideranças] estão todos de acordo com isso”, disse.

“Não é PT-PMDB que está em pauta. O que está em pauta é a base aliada, que tem de estar reunificada em torno dos projetos do governo e auxiliando os projetos do governo”, declarou. Na opinião de Temer, o governo é uma unidade e todos colaboram entre si. “Cada um terá suas tarefas. Eu, por exemplo, não interferirei nas questões administrativas”.

O novo articulador político concedeu entrevista a jornalistas após participar de uma reunião com os presidentes e líderes no Congresso de todos os partidos da base aliada. Ele voltou a confirmar que o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, vai ocupar um cargo do governo “seguramente”. Sobre o segundo escalão, Temer disse que vai examinar com calma e conversar com todos para resolver as indicações.

Maior partido da coalizão que apoia Dilma, o PMDB já tem os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado. O partido tem sido a principal fonte de dores de cabeça para o Executivo no Congresso Nacional.

Temer na articulação

Em sua primeira ação como articulador político, o vice-presidente conseguiu que líderes dos partidos aliados firmassem apoio ao pacote de ajuste fiscal que o Congresso precisa aprovar. 

Fonte: Band.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *