Sucesso nas finanças: Planejamento é essencial

Rio – Não importa quais sejam suas fontes de renda, pois independentemente das respectivas origens, é necessário muita cautela com os gastos mensais. Em geral, os ganhos podem ser provenientes de salários, aplicações financeiras e aluguéis de imóveis, entre outros.

Sabe-se que é muito difícil adotar práticas que nos levem a um controle orçamentário mais eficiente e eficaz no dia a dia, no entanto, é preciso que se faça um levantamento de quanto se ganha e se gasta mensalmente. Recomenda-se que esse levantamento seja feito com o máximo de detalhes, pois quando o hábito da gestão dos recursos financeiros se consolida, fica bem mais fácil identificar e eliminar as causas de evasão de receitas, e dessa forma, evitar gastos supérfluos.

Por Jair Abreu Júnior

PERGUNTA E RESPOSTA

Todo mês utilizo o cheque especial do meu banco, normalmente é um valor baixo, mas gostaria de mudar isso. Como posso evitar?

Paula Carvalho, Méier

Paula, os gastos mensais, em linhas gerais, se referem às despesas fixas. Alimentação, pagamento de contas de água, energia elétrica (que aliás está cada vez mais cara) e telefone. E uma parte dedicada ao lazer, que dever ser controlada. Qualquer que seja o volume de recurso financeiro do seu orçamento, o mais importante seria registrar os componentes de gastos pessoais, pois vai depender de uma análise mais rigorosa. Não basta listar esses itens sem estar consciente da necessidade de efetivar o controle permanente do seu fluxo de recursos (caixa).

Isso é uma questão de aprendizado, que se aprimora com práticas cotidianas. Os recursos financeiros existem para serem gastos, mas devemos estar sempre atentos para que sejam utilizados de maneira adequada e sem exageros. Para isso se faz necessário um planejamento consistente, abrangendo, no mínimo, o seguinte: recomenda-se usar as coisas que compramos até que estejam realmente no ponto de descarte; comprar em promoções nas quais existam benefícios financeiros, em função das quantidades e qualidade dos produtos; analisar a qualidade do que se pretende comprar, pois a durabilidade é fator significativo no planejamento financeiro pessoal. É de fundamental importância identificar o quanto se gasta com supérfluos, e que compras se enquadram nessa natureza, considerando que cada pessoa possui hábitos de consumo diferenciados.

Em resumo, sou de opinião que você deveria fazer uma lista identificando as suas necessidades e comparar, periodicamente, os gastos com seus ganhos, uma planilha ajuda neste caso. A partir desse procedimento, terá uma visão mais clara do seu comportamento financeiro ao longo do tempo, e dessa forma, poderá evitar o uso do cheque especial, o que sem dúvida, é a pior alternativa financeira, em função dos juros cobrados pelos bancos. Boa sorte!

Jair Abreu Júnior é coordenador em Gestão Financeira da Universidade Estácio de Sá

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *