Últimas

Temer diverge do PT e defende financiamento privado nas eleições

Publicidade

O vice-presidente da República, Michel Temer, atualmente o coordenador político do governo Dilma Rousseff, defendeu na manhã desta terça-feira (28) a manutenção do financiamento privado das campanhas eleitorais, com alterações.

A posição contrasta com a defendida pelo PT de Dilma, que após os escândalos do mensalão e na Petrobras passou a pregar a necessidade do financiamento público exclusivo das campanhas políticas.

De acordo com Temer, que participa de uma audiência pública na comissão da Câmara para debater a reforma política, o Estado bancando os candidatos levaria a imprensa a –com razão, em sua visão– comparar esse gasto ao número de casas e hospitais que poderiam ser construídos.

O vice-presidente, que também comanda o PMDB, defende a manutenção do financiamento privado, com a exigência de que as empresas optem por um candidato na disputa. Isso acabaria com a prática comum de empresas doarem recursos para candidatos que concorram entre si.

“Tem que haver uma posição de cidadania. Seria, penso eu, uma medida altamente moralizadora, que seria muito bem recebida.”

Hoje o financiamento das campanhas políticas é misto, ou seja, é bancado por recursos privados, principalmente de empresas, e por dinheiro público.

Temer reconheceu ainda que o modelo que defende para o sistema eleitoral, o chamado distritão, pode não conseguir reunir apoio suficiente no Congresso. Com isso, ele disse aos deputados que é preciso que haja convergência para um dos modelos em debate, não necessariamente o distritão, para que seja possível conseguir o apoio necessário mínimo –60% dos deputados e senadores– para a alteração na Constituição.

O distritão é um modelo pelo qual os deputados federais mais votados em cada Estado são os eleitos. Hoje a composição da Câmara é feita pelo chamado sistema proporcional, que leva em conta a somatória dos votos dados aos candidatos do partido, eleitos e não eleitos, além do voto na legenda.

Na entrada da sessão, Temer também comentou a recente divergência pública entre os peemedebistas que presidem o Senado (Renan Calheiros) e a Câmara (Eduardo Cunha). Segundo o vice-presidente, não se trata de uma divisão pessoal. Ele afirmou ainda esperar que a disputa seja superada em breve.

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *