Últimas

Turquia diz que voto do parlamento da UE sobre genocídio armênio é 'racismo'

Ancara, 17 Abr 2015 (AFP) – O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, condenou energicamente nesta sexta-feira a resolução do Parlamento Europeu na qual pede à Turquia que reconheça o genocídio armênio de 1915, considerando que isso simboliza o aumento do “racismo na Europa”.

“Se quiser contribuir para a paz, o Parlamento Europeu não deveria tomar decisões que incitem o ódio em relação a uma certa religião ou grupo étnico”, declarou Davutoglu.

“Este assunto vai além da questão turco-armênia. É um novo símbolo do racismo na Europa”, acrescentou.

O Parlamento Europeu encorajou na quarta-feira a Turquia a aproveitar as celebrações do centenário do massacre dos armênios pelo Império Turco Otomano para “reconhecer o genocídio e abrir caminho para uma verdadeira reconciliação entre os povos turco e armênio”.

O genocídio armênio é reconhecido por diversos países, incluindo Argentina, Uruguai, França, Suíça, Rússia e, desde 1987, o Parlamento Europeu.

A Turquia rejeita o termo genocídio, embora reconheça que ocorreram massacres e que entre 250.000 e 500.000 armênios morreram em Anatólia entre 1915 e 1917 durante o Império Otomano. Os armênios dizem que 1,5 milhão de pessoas morreram.

O Império Otomano foi desmantelado em 1920, dois anos depois da criação de um Estado independente armênio, em maio de 1918, posteriormente absorvido pela União Soviética. O Estado turco moderno foi fundado em 1923 por Mustafa Kemal Atatürk.

Atualmente, 3,2 milhões de armênios vivem na Armênia, e a diáspora é calculada em mais de 8 milhões de pessoas, residentes em Estados Unidos, Oriente Médio, França, Canadá e América Latina, principalmente.

Ancara rejeitou imediatamente a votação do Parlamento europeu.

“Seja qual for o resultado da votação do Parlamento da União Europeia, entrará por um ouvido e sairá imediatamente pelo outro porque a Turquia não pode reconhecer um pecado ou um crime deste tipo”, declarou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, à imprensa.

Erdogan havia taxado na terça-feira de delírios as declarações de domingo do papa Francisco, que usou a expressão genocídio para descrever os massacres de armênios.

A resolução do Parlamento acontece depois do discurso de Francisco, pronunciado no domingo durante uma missa na Basílica de São Pedro e desencadeou uma grave crise diplomática entre o Vaticano e a Turquia, aliada importante na luta contra o islamismo radical que está sendo devastador para as comunidades cristãs do Oriente Médio.

dg-pa/ros/aoc/dm/cn

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *