Últimas

Viaje com seu pet: conheça as regras para levar o bichinho no avião

O transporte dos animais de estimação em voos deve ser feito dentro do kennel: é importante que os bichos possam se mexer no interior da caixa. Foto: STR/EM/D.A Press
O transporte dos animais de estimação em voos deve ser feito dentro do kennel: é importante que os bichos possam se mexer no interior da caixa. Foto: STR/EM/D.A Press

Desde 11 de março, passageiros da Gol, respeitando algumas regras, podem viajar com o animal de estimação (cães e gatos) na cabine do avião. O procedimento, recentemente disponibilizado também pela Azul, já era comum na Avianca e na Tam. Cada companhia define suas normas de transporte. Com isso, o peso, o tamanho da caixa de transporte (kennel), o valor da taxa por trecho, a quantidade de animais por voo e a documentação exigida são diferentes (veja quadros). Os pontos em comum são a idade mínima dos pets (quatro meses), a vacina antirrábica e o atestado de saúde, variando o tempo de cada um. A Tam é a única que restringe raça, no caso, as do tipo braquicefálicos, ou focinho curtos. Avianca, Azul e Gol não têm nenhuma restrição de estirpe.

Para a mestre veterinária Christine Souza Martins, professora de clínicas de animais de companhia da Universidade de Brasília (UnB), não existe risco de levar o animalzinho de estimação em viagens aéreas desde que o ambiente seja pressurizado e sem variação térmica. Quando for transportado na cabine, as companhias determinam que os bichos sejam alocados embaixo do assento. Mesmo nesses casos, Christine afirma que não há riscos para os pets. “O animal pode se estressar um pouco, mais por ficar preso do que pela viagem. Por isso, o ideal é adaptar o bichinho à caixa. Durante o voo, ele sentirá a mesma sensação dos donos”, observa.

A veterinária alerta para o tamanho do kennel em relação ao animal. De acordo com ela, o bicho precisa ter espaço para se movimentar dentro do local. “O pet precisa se virar dentro da caixa, principalmente em viagens longas, pois ajuda a diminuir o estresse do voo”, observa. Em relação ao atestado exigido pelas companhias, o veterinário verifica se o animal não tem sinais evidentes de doenças infectocontagiosas e se está com as vacinas em dia. “Se for necessário anestesiar o bichinho, a medicação deve ser feita com o auxilio de um profissional”, explica Christine.

Transporte rodoviário

Para quem viaja de ônibus, também é permitido levar o animal de estimação, desde que, observadas as condições do transporte. Não pode comprometer a saúde do bicho, a segurança, o conforto, a higiene e a tranquilidade dos demais passageiros. De acordo com a Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT), responsável pelo transporte rodoviário de passageiros no país, não existe especificações para acomodá-los; tanto prestadoras de serviços, quanto usuários devem considerar as normas de bagagem. No bagageiro, 30kg de peso total. No porta-embrulhos (dentro do ônibus), 5kg de peso total, com dimensões que se adaptem ao local.

Assim como em viagens aéreas, no transporte por ônibus também é exigido atestado sanitário do animal, com destaque para a comprovação de imunização antirrábica. Segundo a ANTT, não existe na legislação brasileira nada sobre os tipos de animais autorizados para serem transportados em ônibus. No entanto, é necessário preencher a Guia de Transporte Animal (GTA), emitida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), exceto para cães e gatos.

Hospedagem Garantida

Luciana (E) e Patrícia, do Roteiro Animal: dicas de hotéis para os bichos. Foto: Carlos Aliperti/Divulgação
Luciana (E) e Patrícia, do Roteiro Animal: dicas de hotéis para os bichos. Foto: Carlos Aliperti/Divulgação

Além de observar as regras de transporte dos bichinhos, ao chegar ao destino, é preciso escolher bem onde ficar, pois não são todos os hotéis que aceitam animais de estimação. Pensando nisso, a empresária Luciana Moura, 43 anos, decidiu criar o Roteiro Animal (www.roteiroanimal.com.br). “Quando a Frida, minha cocker spaniel, perdeu a visão, percebi que seria impossível deixá-la sob os cuidados de outras pessoas. Então, comecei a procurar locais onde pudesse ir com ela”, lembra. No início deste ano, Frida faleceu, aos 16 anos, mas Luciana continuou com o objetivo ajudar outras pessoas a encontrar lugares amigáveis para animais, e agora viaja com as outras duas cachorrinhas: Sophia e Dalila.

“Hoje, a maior parte das pessoas que tem um pet gosta de viajar com eles, pois são, praticamente, um membro da família, e o mercado tem que se adaptar a esse público exigente”, ressalta. Desde que começou a busca, a empresária percebeu que o número de hotéis e pousadas que aceitam animais aumentou, mas as restrições em relação a hospedagem ainda são variadas. Aqui, também, é preciso observar as regras.

Na maior parte dos estabelecimentos, comprovantes de vacinas devem ser apresentados; no caso de objetos danificados pelos animais, a responsabilidade é dos tutores, que devem arcar com o prejuízo; quanto aos animais que fizerem suas necessidades nas áreas comuns, os donos devem recolher e limpar. “Eu aconselho a ficar em locais onde os proprietários do hotel ou da pousada também tenham pets, pois só quem tem entende essa relação entre as pessoas e os bichos. Na Hospedaria Casa de Pedra, em Espírito Santo do Pinhal (SP), por exemplo, os cães têm livre acesso por toda a pousada.”

Entre as cidades que Luciana considera mais pet friendly (termo usado mundialmente quando um estabelecimento aceita animais), estão Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Nas capitais paulista e carioca, ela cita o aumento no número de restaurantes, bares e shoppings que aceitam os bichinhos de estimação. Na cidade gaúcha, o destaque vai para um grande encontro de tutores com seus cães, que ocorre aos domingos, na Praça da Redenção.

Colaborou Geison Guedes

Onde ficar

Pousada Camelot Inn
Alto Paraíso (GO)
www.pousadacamelot.com.br
(62) 3446-1581

Estalagem Alter Real
Pirenópolis (GO)
www.alterreal.com.br
(62) 3331-1656

Pousada Rural Gota de Minas
Ouro Preto (MG)
www.gotademinas.com.br
(31) 9953-8149

Hospedaria Casa da Pedra
Espírito Santo do Pinhal (SP)
www.pousadacasadapedra.com
(11) 99988-0303

Boutique Hotel & Spa Pedra da Laguna
Búzios (RJ)
www.pedradalaguna.com.br
(22) 2623-1965

Pousada do Bosque
Trancoso (BA)
www.bosquetrancoso.com.br
(73) 3668-1040

Bianca Praia Hotel
Recife (PE)
www.biancapraiahotel.com.br
(81) 3327-0958

Pousada Rosa Verde
Praia do Rosa (SC)
www.rosaverde.com.br
(48) 3355-6162

Hotel Canto Verde (Gramado)
www.hotelcantoverde.com.br
(54) 3286-1961

Exigências

Avianca
Peso (animal + kennel): 8kg
Tamanho kennel (A x C x L em cm): 25 x 40 x 26
Valor por trecho: R$ 100
Solicitação do serviço: não é preciso pedir com antecedência
Quantidade de animais: um por passageiros; três por voo

Azul
Peso (animal + kennel): 5kg
Tamanho kennel (A x C x L em cm): 20 x 43 x 31,5
Valor por trecho: R$ 200
Solicitação do serviço: não é preciso pedir com antecedência
Quantidade de animais: um por passageiros; três por voo

Gol
Peso (animal + kennel): 10kg
Tamanho kennel (A x C x L em cm):
22 x 43 x 32
Valor por trecho: R$ 150
Solicitação do serviço: 3 horas de antecedência
Quantidade de animais: um por passageiros; quatro por voo

Tam
Peso (animal + kennel): 7kg
Tamanho kennel (A x C x L em cm):
19 x 36 x 33
Valor por trecho: R$ 200
Solicitação do serviço: 48 horas de antecedência
Quantidade de animais: não informado

Documentação

Avianca
Comprovante de vacinação antirrábica para animais com mais de três meses de idade — com nome do laboratório produtor, tipo de vacina e o número de vacina/ampola utilizado. Deve ter sido aplicada de 30 dias a um ano antes do embarque (filhotes menores de três meses e, portanto, sem a primeira vacina, só serão embarcados com autorização expressa do veterinário); atestado sanitário emitido pelo médico veterinário com validade de 30 dias a partir da data de emissão.

Azul
Comprovante vacinação antirrábica — com o nome do laboratório produtor, tipo da vacina e o número da partida/ampola utilizada. Deve ter sido aplicada há mais de 30 dias e há menos de um ano do embarque; atestado de saúde do animal emitido por médico veterinário com validade de 10 dias da data de emissão.

Gol
Comprovante de vacina antirrábica, aplicada há mais de 30 dias e menos de um ano da data do embarque; atestado de saúde do animal emitido por médico veterinário, com validade de 10 dias e ser expedido com 72h de antecedência.

Tam
Certificado de vacinação antirrábica; atestado de saúde; formulário de responsabilidade pelo transporte do animal preenchido.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *