Últimas

Caseiro de Marcos Paulo fala de ação contra herdeiras: 'Questão de honra'

Marcos Paulo (Foto: Fernando Schlaepfer / EGO)Marcos Paulo (Foto: Fernando Schlaepfer / EGO)

Após ser acusado por João Paulo Lins e Silva, inventariante do espólio de Marcos Paulomorto em 2012 –, de estar querendo se “vitimizar” por mover uma ação trabalhista e de danos morais contra as herdeiras do ator e diretor, o caseiro Rodrigo Silva procurou o EGO para dar sua versão sobre o imbróglio. “Ele foi bastante insensato, porque até hoje procurei ser discreto e distante de tudo isso. O doutor João Paulo deu declarações mentirosas. É a versão conveniente para ele. Sempre tento me esquivar de falar nesse assunto, mas estou vendo que não tem jeito porque os fatos estão sendo distorcidos”, afirmou Rodrigo, que trabalhou junto com sua mãe por 15 anos cuidando da casa de Marcos Paulo em Búzios.

EGO NAS REDES SOCIAIS

O caseiro segue com seu versão dos fatos: “Logo após a morte do Marcos, a cada 15 dias pintava uma nova informação, um novo representante responsável pelo imóvel. Foi assim por meses. Ora um dizia que era para permanecermos como sempre foi nesses 15 anos, trabalhando para o Marcos, depois diziam o contrário. Quando percebemos que cortaram a água e a luz, e também por causa dessa indefinição, eu fiz contatos por telefone e e-mail pedindo que resolvessem de uma vez por todas o que deveria ser feito. Foi quando me disseram que houve um pedido na Justiça para que bloqueassem todas as contas do Marcos e que eu entrasse com um processo trabalhista para me resguardar. A sugestão me foi dada como a minha única opção de ter os meus direitos respeitados e também para que não me acusassem de abandono do emprego”. Segundo Rodrigo, o posicionamento ocorreu quase um ano depois da morte do diretor.

Antonia Fontelle e Marcos Paulo em Búzios (Foto: Ricardo Leal/PhotorioNews)Antonia Fontelle e Marcos Paulo em Búzios
(Foto: Ricardo Leal/PhotorioNews)

“O João Paulo disse que isso poderia até ajudar no desbloqueio das contas. Isso depois de inúmeras tentativas de contato para resolver o problema e tudo isso está comprovado no processo. Foi muito deselegante da parte dele, e no mínimo estranho, dizer que eu não recebi porque não quis. Foi ele quem sugeriu o processo e agora ele diz que eu deveria ter abandonado o imóvel e ignorado meus direitos? Não fui eu quem quebrei o contrato”, afirmou.

Rodrigo disse ainda que após o desbloqueio das contas, João Paulo procurou sua advogada e ofereceu um valor inferior ao que as herdeiras deviam a ele. E, por isso, não aceitou. “Era um valor referente a metade dos meus direitos e eu não sou obrigado a aceitar o que eles acham que têm que me pagar e, sim, o que é justo. Por isso existe a justiça trabalhista e foi onde encontrei um caminho para me amparar”, falou ele, que diz ter ficado dez meses sem receber.

O caseiro afirmou ter pago contas da casa e da loja anexa ao imóvel, que também faz parte da propriedade, pois ambas eram abastecidas pela mesma caixa d´água e a loja se encontrava alugada na ocasião. “Fui prejudicado pelo rompimento do contrato provocado pelo bloqueio das contas, que foi pedido pelas herdeiras mesmo elas sabendo que eram responsáveis pelo pagamento das contas do imóvel e pelo meu salário. Cumpri com meus compromissos sem salário e por vários meses. Até hoje estou com a carteira de trabalho sem dar a devida baixa, então com tantos transtornos ele ainda diz que existe o interesse da minha parte de me vitimizar?”, questionou.

Giulia Costa e as irmãs com o pai Marcos Paulo (Foto: Reprodução/ Instagram)Giulia Costa e as irmãs, Vanessa e Mariana, com
o pai Marcos Paulo (Foto: Reprodução/ Instagram)

“Só queria que os envolvidos buscassem garantir seus direitos sem desrespeitar os direitos de outros. Certamente não teríamos mais esta situação. Quanto aos danos morais, são consequências de tantos atos premeditados, irresponsáveis, e caberá à Justiça através dos altos, julgar procedente ou não”, afirmou Rodrigo. A mãe do caseiro, que também era funcionária de Marcos, morreu em maio de 2013 e também não chegou a receber os salários atrasados. Sobre a situação da mãe, Rodrigo se limitou a dizer que ela morreu por conta de problemas de saúde e preferiu não entrar em detalhes. “Não é questão de dinheiro, é questão de honra e eu e minha família não abrimos mão disso”, afirmou.

Fonte: Ego.globo.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *