Últimas

CBF acata determinação da Fifa, afasta Marin e diz que vai rever contratos

Rio – Após se posicionar a tarde assim que foram divulgada a prisão de José Maria Marin, a CBF voltou a tomar mais um posicionamento na noite desta quarta-feira e em comunicado no site oficial decidiu afastar o vice-presidente. Além disso, a CBF garantiu que vai reanalisar os atuas contratos vigentes e remanescentes da instituição.


LEIA MAIS: Procurador do EUA diz que candidatura do Brasil à Copa 2014 será investigada

“Oferecer o adequado desdobramento à determinação da Fifa e afastar o Sr. José Maria Marin do seu quadro diretivo até a definitiva conclusão do processo”, diz um trecho do comunicado.

Entenda o caso

Na madrugada desta quarta-feira no Brasil, manhã em Zurique, policiais da Suíça prenderam dirigentes e membros da Fifa em um luxuoso hotel. Os cartolas estavam na cidade para o 65º Congresso da entidade, que elegerá o seu novo presidente nesta sexta-feira. Entre os presos está o ex-presidente da CBF, José Maria Marin. As autoridades suíças relataram que os detidos devem ser extraditados para os Estados Unidos, onde a procuradoria de Nova York os investiga pelo recebimento de propinas desde o começo da década de 1990 até os dias de hoje.


LEIA MAIS: Fifa bane provisoriamente e emite punição para José Marin e mais dez

Os dirigentes são acusados de envolvimento em um esquema de corrupção através do qual “delegados da Fifa e outros de organizações dependentes receberam propinas e comissões – de representantes de meios de comunicação e de empresas de marketing esportivo – que somam mais de US$ 100 milhões”, segundo o Ministério suíço. Em troca, os agentes corruptores “recebiam direitos midiáticos, de publicidade e patrocínio em torneios de futebol na América Latina”.

Confira a íntegra o comunicado da CBF:

1) Oferecer o adequado desdobramento à determinação da Fifa e afastar o Sr. José Maria Marin do seu quadro diretivo até a definitiva conclusão do processo;

2) Tornar pública a decisão, previamente tomada no início desta gestão, de reanalisar todos os contratos ainda vigentes e remanescentes de períodos anteriores.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *