Últimas

'Ele confessou não gostar da criança', diz delegado sobre pai que matou filho


Éder matou o próprio filho por ciúmes da criança, de 1 ano e 7 meses, com a namorada

Foto:  Divulgação

Rio – O crime envolvendo um pai que espancou até a morte o próprio filho e ocultou o corpo no armário chocou a população da Baixada Fluminense e policiais da Divisão de Homicídios da região (DHBF). Segundo o titular da unidade, Fábio Cardoso, a motivação do crime indignou toda sua equipe que trabalhou 24 horas ininterruptas no caso. Éder Moraes Lima, de 22 anos, sentia ciúmes do pequeno Thainan Santos de Moraes, de apenas 1 ano e 7 meses, com a sua namorada, que não era mãe do menino, e tirou a vida do filho, dentro de casa, no Morro Três Irmãos, em Belford Roxo. 

“Todos os policiais ficaram chocados com o crime por ser cruel e covarde. A motivação deixou todos os policiais indignados”, declarou Fábio, que lembrou o depoimento do pai. Éder foi preso na noite desta segunda-feira, depois de ter a prisão preventiva decretada pela justiça. Ele responderá por homicídio triplamente qualificado, cuja pena pode chegar a 30 anos de prisão.

“Em depoimento, ele confessou não gostar da criança e ainda disse que não o considerava como filho”, contou o delegado, que acrescentou: “Éder sempre batia no filho, dava palmadas. Desta vez, motivado por ciúmes, ele espancou o menino e colocou seu corpo no armário envolto a um lençol. A sua namorada, que não era mãe da criança, o tratava como filho”. 

Após o crime, Éder ainda simulou um sequestro do filho: ele procurou a 54ª DP (Belford Roxo) para registrar o sumiço, dizendo que ele foi levado por traficantes do Morro Três Irmãos, no Jardim Ideal, em Belford Roxo, onde ele mora.

Segundo a namorada de Éder, identificada apenas como Jessica, ele vinha apresentando um comportamento estranho. A jovem disse ainda que estava querendo se separar e que cuidava de Thainan como filho. “Cuidava dele como se fosse meu filho. Estava juntando dinheiro para fazer a festinha dele de 2 anos no dia 21 de outubro. O tema era carrinhos, que era o que ele mais amava”. 

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *