Últimas

Grupo Estado Islâmico ameaça cidade histórica síria de Palmira

Beirute, 14 Mai 2015 (AFP) – O grupo Estado Islâmico (EI) estava nesta quinta-feira às portas da cidade histórica síria de Palmira, aumentando os temores de que os jihadistas a destruam, como já fizeram com outras joias do patrimônio cultural de Síria e Iraque.

“Palmira está ameaçada”, declarou à AFP Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), com sede na Grã-Bretanha.

“A batalha acontece dois quilômetros ao leste da cidade, depois que o grupo EI tomou o controle de todos os postos do exército entre Al-Sujna e Palmira”.

O valor histórico deste oásis situado 240 km a nordeste de Damasco é inestimável, já que abriga as ruínas monumentais de uma cidade que foi um dos centros culturais mais importantes do mundo antigo, e que foi declarada patrimônio mundial da Unesco.

Sua arquitetura conjuga as técnicas greco-romanas com as tradições locais e a influência persa, segundo esta agência da ONU.

“Acabo de falar por telefone com meus colegas em Palmira, me confirmaram que (os jihadistas) estão a dois quilômetros da cidade. A aviação os bombardeia e espero que estes bárbaros não entrem no interior da cidade”, afirmou Mamun Abdulkarim, diretor das Antiguidades e Museus Sírios.

“Se o EI entrar em Palmira, significará sua destruição, uma catástrofe internacional” e “a repetição da barbárie e da selvageria que ocorreu em Nimrud, Hatra e Mossul”, advertiu, em alusão aos locais antigos atacados pelos jihadistas nos últimos meses no Iraque.

Os rebeldes tiveram o controle da cidade até setembro de 2014, quando o exército sírio recuperou o controle. Durante os combates, o templo de Baal sofreu danos pelos disparos de artilharia.

– 110 mortos nos combates –

Talal Barazi, governador da província de Homs, à qual Palmira pertence, explicou que após a queda de Al-Sukhna na quarta-feira 1.800 famílias fugiram a Palmira, onde três centros de acolhida foram abertos.

Desde a noite de terça-feira, os combates nesta zona deixaram 110 mortos, 70 dos quais são membros das forças de segurança do regime, além de 55 jihadistas.

Entre os últimos se encontra Abu Malek Anas al-Nashwan, que apareceu em um vídeo do EI mostrando a decapitação em abril de 28 etíopes na Líbia, segundo sites extremistas.

Um vídeo divulgado no mês passado nas redes sociais mostrava os jihadistas do EI destruindo o sítio arqueológico iraquiano de Nimrud, joia do império assírio fundado no século XIII, e antes haviam atacado Hatra, cidade de 2.000 anos, e o museu de Mossul, no norte do Iraque.

Na Síria, os combatentes extremistas destruíram patrimônios de Raqa, Mari, Dura Europos, Apamea, Ajaja (nordeste) e Hamam Turkoman, perto de Raqa.

sk-lar/jri/aoc/dmc/ma

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *