Membro de máfia italiana é preso no Brasil após 31 anos de fuga

terça-feira, 26 de maio de 2015 – 16h24

Atualizado em
terça-feira, 26 de maio de 2015 – 16h24


Pasquale Scotti, membro da máfia italiana Camorra / Polícia Federal / AFPPasquale Scotti, membro da máfia italiana Camorra
Polícia Federal / AFP

Após quase 31 anos de fuga, um dos membros mais procurados da organização mafiosa Camorra foi preso em Recife nesta terça-feira, 26. Pasquale Scotti, 56 anos, era considerado o “braço-direito” do chefão do grupo napolitano, Raffaele Cutolo, e fugiu de um hospital de Caserta no dia 23 de dezembro de 1984.

Em uma ação organizada pela seção de investigação sobre o crime organizado de Nápoles, com o grupo de Inteligência, a Interpol e as autoridades brasileiras, Scotti foi encontrado na cidade pernambucana. Não se sabe ainda por quanto tempo ele viveu escondido no Brasil.

Considerado um dos mais fiéis aliados de Cutolo, o mafioso era chamado de “engenheiro” das ações da Camorra na Itália. Ele tem uma longa ficha de acusações criminais, que inclui lavagem de dinheiro, homicídio, extorsão e tráfico de drogas e é considerado o fundador do grupo “Nova Camorra Organizada”. 

O sub-grupo foi organizado após uma megaoperação policial que desmantelou parte da máfia e prendeu seu “boss”, Cutolo. 

A fuga de Scotti ocorreu após uma suposta vontade de colaborar com os policiais. Ele foi detido no dia 17 de dezembro de 1983, em Vaviani, por ser o mandante do assassinato de uma dançarina. Na operação, ele foi ferido na mão e precisou ser internado. Na véspera do Natal de 1984 ele fugiu do hospital. Logo após a fuga ele começou a ser procurado, mas só em 1990 foi incluído na lista de fugitivos internacionais.

Fonte: Band.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *