Últimas

Pesquisadores usam acelerômetro para hackear passageiros no metrô

Uma pesquisa realizada por pesquisadores chineses descobriu que ataques de hackers realizados dentro de um metrô utilizando sensores de movimento do dispositivo, como acelerômetros, podem acompanhar os passageiros com precisão de 92%. De acordo com o estudo, é possível rastrear o dono de um smartphone por alguns dias e descobrir, por exemplo, detalhes de seu trabalho, horários e até relações pessoais.

A pesquisa destaca que, apesar de alguns itens como o GPS do dispositivo serem fortemente protegidos, os sensores de movimento ainda são vulneráveis e por isso mais fáceis de controlar à distância. Segundo os chineses, o metrô torna o processo mais fácil porque ele segue sempre o mesmo caminho entre duas estações.

“A causa é que o metrô anda em pistas fixas, tornando seus padrões de movimento distinguível de carros ou ônibus rodando em estradas comuns”, escreveram os pesquisadores. “Por outro lado, devido ao fato de que não há s de estações vizinhas cujas faixas são exatamente as mesmas do mundo real, os padrões de movimento dentro de intervalos diferentes podem ser distinguidos bem.”

Assim, basta “aprender” o tempo e percurso de cada linha e instalar nos celulares malwares que roubam as leituras do acelerômetro. “O ataque é mais eficaz e poderoso do que o realizado usando o GPS ou a rede para rastrear os passageiros. Um acelerômetro pode ser acessado, executar e ler um programa sem que o usuário saiba”, explica o estudo.

No entanto, há um ponto que pode dificultar a escolha pelo método: para rastrear um telefone desta maneira, seria necessário acessar continuamente o acelerômetro do dispositivo, o que drenaria sua bateria e chamaria a atenção do usuário. Especialistas inclusive, aconselham o usuário a ficar atento caso um aplicativo consuma muita energia do aparelho. Esse pode ser um sinal de que ele está realizando atividades sem ocultas e sem autorização.

Via DailyDot 

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *