Últimas

Professores e técnico-administrativos da Ufal paralisam as atividades

Servidores decretaram greve por tempo indeterminado. Ele cobram reajuste salarial e melhorias nas condições de trabalho.

 

Os docentes e os técnico-administrativos da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) paralisaram as atividades nesta quinta-feira (28). A greve, segundo eles, é por tempo indeterminado.

A decisão dos professores da Ufal foi tomada após assembleia geral convocada pela Associação dos Docentes da Ufal (Adufal) na segunda-feira (25). Compareceram 179 professores, número suficiente, segundo o estatuto da entidade, para definir os rumos da mobilização que resultou no decreto de greve.

Entre as reivindicações dos docentes estão a implantação da data-base para a categoria e a reestruturação da carreira. Já que, segundo eles, seus referenciais remuneratórios aparecem apenas em tabelas de valores nominais, sem piso, lógica de evolução e relação entre regimes de trabalho e titulação.

Administrativo
Quem também decidiu pela paralisação das atividades na universidade federal foram os técnico-administrativos. A greve foi decretada pela categoria durante assembleia realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal), que aconteceu no dia 21 deste mês.

Segundo o Sintufal, a categoria reivindica reajuste salarial de 27,03%, implantação de data-base, melhores condições de trabalho, concurso público, além de mais democracia nos campi. “Nossa categoria decidiu pela paralisação por tempo indeterminado por não mais suportar tanto arrocho salarial e uma total falta de sensibilidade do governo federal”, afirma Emerson Oliveira, coordenador geral do Sintufal.

Os técnico-administrativos também são contra as Medidas Provisórias 664 e 665, que atacam direitos como seguro-desemprego, pensão por morte e abono salarial. Ainda de acordo com o Sintufal, eles estão procurando intensificar o trabalho de mobilização da categoria para garantir adesão total ao movimento grevista a partir desta quinta (28).

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *