Últimas

Saia daí, Levy

SÃO PAULO – Com o anúncio da nova programação orçamentária, nesta sexta (22), o governo Dilma Rousseff pretendia virar a página do arrocho. Deu errado.

Melou o jogo a mão direita do Dr. Fantástico, que involuntariamente revela a natureza do assessor do presidente americano no filme de Kubrick. Uma recaída no alheamento da realidade, marca do primeiro mandato, impediu o governo de divulgar um plano crível para suas despesas e sobretudo para suas receitas em 2015. Voltou a pintar de rosa o futuro e vende uma retomada substancial da atividade e da coleta de tributos nos próximos meses.

O ministro Joaquim Levy caiu numa emboscada. Assumir o otimismo fiscal, à Mantega, arrombará sua credibilidade. Adotar o discurso de “vamos avaliar o desempenho das contas e eventualmente fazer correções” redundará na redução da poupança fiscal, plano do PT que encontra aliado potencial em Nelson Barbosa, do Planejamento.

Alastrou-se a ideia de que, uma vez no cargo, Levy não poderia ser demitido. Dilma não concorda.

A presidente age para circunscrever a intervenção liberal aos domínios do Tesouro. Já repudiou mudanças nas regras de conteúdo local e de participação forçada da Petrobras na exploração do petróleo.

Na política externa, atores e diretrizes são os mesmos. Concessões rodoviárias continuarão a privilegiar o populismo das tarifas mais baixas, em vez de potencializar investimentos bancados pelos usuários.

Para Dilma, Levy é um recuo pontual e passageiro na obra fáustica que ela implementa desde 2011. Passado o furacão, e o círculo alucinado do Planalto acha que está passando, Levy ou será demitido ou se acomodará ao credo palaciano.

Basta que o ministro compreenda esse jogo e concluirá que a saída para seu impasse pessoal é satisfazer o coro petista a indicar-lhe a porta da rua.

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *