Últimas

Cartas e Cartazes nº 111: SBT estreia Casa dos Artistas de surpresa e deixa Globo ‘no limite’ (06/11/2001)

A partir de hoje no Cartas e Cartazes, vamos apresentar uma série de reportagens especiais sobre a Casa dos Artistas. Durante as próximas semanas, vamos abordar diversos ângulos do reality mais polêmico e, ao mesmo tempo, de maior sucesso da TV brasileira.

Hoje, principalmente, vamos falar dos bastidores pré-estreia e da repercussão tão logo o primeiro programa foi ao ar.

Quando se fala em Casa dos Artistas, uma das primeiras coisas que vem em mente é a estratégia louca de Silvio Santos em estrear um programa de forma secreta. Apesar de que na época (2001) ainda não existisse redes sociais, a Internet já tinha grande penetração e a informação facilmente poderia ser vazada.

Tudo foi pensado milimetricamente. O SBT começou a trabalhar no projeto de um reality de confinamento em meados de 2001 e era conhecido apenas por Silvio Santos e um grupo extremamente restrito dentro do SBT. No dia 17 de julho, registrou no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) a marca “Casa dos Artistas”. A bem da verdade, ninguém sabia onde Silvio Santos queria chegar com a nova atração. Se tratava de um reality inédito na TV e ele, no ano 2000, havia rejeitado um acordo com a Endemol para produzir o Big Brother Brasil quando já estava tudo praticamente certo entre as partes. Ou seja, Silvio poderia apenas estar apenas “blefando” (para passar algum susto na Globo quando ela viesse a estrear o BBB).

Em entrevista para a Folha de São Paulo, Alessandra Scatena, uma das confinadas, revelou como foi o convite ‘secreto’ de Silvio Santos: “Em junho, Silvio disse que estava planejando um programa e queria que eu participasse. Mas [eu] só soube do que se tratava uns 20 dias antes da estreia”.

Além da famosa “cláusula de confidencialidade”, os artistas não tinham noção da proporção que aquilo iria tomar. Também, Silvio Santos, como nas suas melhores contratações, conseguiu garantir que esse acordo não vazasse. Era um ano de total protagonismo de Silvio Santos (com direito a ser samba-enredo com transmissão ao vivo da Globo e de ser sequestrado em sua própria casa, após acontecer o mesmo com a filha Patrícia) e de muito sucesso para o SBT (que liderava em vários horários, com destaque para os domingos). Mas faltava uma liderança importante: a do horário do Fantástico.

A “Casa dos Artistas” foi a escolhida para tentar esse feito. E a data foi escolhida de forma estratégica. Nos dias 26 e 27 de outubro de 2001, o SBT exibia mais uma edição do Teleton, maratona em prol da AACD. Como sempre, é aquele tumulto na Anhanguera, um entra e sai de pessoas, de artistas. Foi durante essa edição que Silvio Santos deu o famoso selinho em Gilberto Gil. Como essa “muvuca” dentro do SBT, seria mais fácil esconder movimentação de artistas, diretores, visando outro projeto que estrearia no domingo.

Foi justamente durante o Teleton que os diretores do SBT começaram a ficar sabendo das intenções de Silvio Santos. E durante aquela semana é que os artistas que participariam do programa foram chamados (após assinarem um pré-contrato) e tiveram detalhados o projeto em si. Lady Lu, capa da revista Sexy de agosto de 2001, acabou desistindo antes mesmo de entrar.

Parece que o sábado e o domingo já indicavam que viria chumbo grosso para cima da Rede Globo. Durante a tarde de sábado, a rede carioca ficou em terceiro lugar perdendo para o Teleton e o Raul Gil na Record. No domingo da “Casa”, o SBT venceu o “Gente Inocente” (17 x 11), o “Planeta Xuxa” (16 x 11) e o “Domingão do Faustão” (29 x 18). Mas ainda tinha a novidade.

[embedded content]

Foi durante o Qual é a Música, atração de Silvio Santos naquele domingo, 28 de outubro de 2001, que começaram a pipocar as primeiras chamadas da “Casa” (veja acima). O texto tinha claros sinais de ter sido escrito pelo próprio Silvio Santos: “O que será que vai acontecer esta noite na Casa dos Artistas? Você vai olhar pelo buraco da fechadura e vai ver o que fazem os artistas, na intimidade do dia-a-dia. Hoje, após o Domingo Legal do Gugu, não perca o programa mais audacioso da televisão!”

Precisamente às 20h40 (quatro minutos antes do Fantástico começar), entrava no ar Casa dos Artistas (veja o vídeo histórico abaixo). Estourou como uma bomba na TV brasileira. Ninguém imaginava a ousadia de Silvio Santos. Todos se perguntavam (e eu também na casa do meu avô): O que era aquilo? E como não vazou antes? Um eventual vazamento certamente ajudaria a Globo a tentar barrar o programa. Inócuo. Sem divulgação praticamente, o programa foi dividido em duas partes: uma com os artistas no palco e outra com eles já na Casa. A primeira, enfrentou o Fantástico e ganhou de cara: 32 x 25. E a segunda perdeu para No Limite por 32 x 27.

[embedded content]

A derrota de “No Limite”, sabiam todos, era uma questão de tempo. A do Fantástico é que ficaria na história. Jornais, revistas, programas na TV, todos destacavam a derrocada do programa invicto desde sua estreia em 5 de agosto de 1973. Pela primeira vez, o Fantástico sucumbiu a uma atração e ela veio através do SBT e de Silvio Santos. Pior, com uma atração sem qualquer tipo de promoção de marketing, numa estratégia de guerrilha e cujos artistas não chegavam perto do status de todo o arsenal da Rede Globo. Pior ainda, via o SBT a eliminar mais um pilar de liderança da Globo e ainda escalar a “Casa” diariamente para enfrentar o outro pilar (a “novela das oito”).

Como foi uma estreia praticamente surpresa, o SBT não publicou qualquer anúncio na imprensa para promover a estreia. Então, usei hoje para ilustrar o artigo o primeiro anúncio do programa publicado, que foi na data de 6 de novembro de 2001, já após o segundo domingo do programa. Veja o destaque para a vitória sobre o Fantástico e a brincadeirinha falando que a Globo ficou “no limite”. E detalhe para a segunda vitória da Casa aos domingos: 37 x 29. A Casa subiu e o Fantástico também. A diferença de 8 pontos da estreia se manteve. O share da televisão melhorou coma chegada do reality. Mas o mau humor da Globo não passou. Na próxima semana, na segunda reportagem, vamos começar a abordar a briga histórica entre SBT x Globo por conta do programa.

Fonte: SBTpedia (www.sbtpedia.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *