Últimas

De Olho na Política: Sim, o Brasil está pirando

Rio – Monteiro Lobato é o autor da frase célebre que ainda hoje significa um desafio: “Um país se faz com homens e livros”. Nestes dias politicamente corretos, há que falar de homens e mulheres, mas o que nos faz falta mesmo são os livros. Nossa juventude não gosta ler, e a população, em média, lê no máximo quatro livros por ano. É muito pouco comparado, por exemplo, à Espanha, onde a média anual é de dez livros.

Não é por acaso que as livrarias nas grandes cidades brasileiras vão desaparecendo aos poucos. Sobrevivem apenas grandes redes, como a Cultura e Saraiva (a Fnac vende de tudo, até livros). No Rio, chamou a atenção há duas semanas o anúncio do fechamento da tradicional Leonardo Da Vinci. Instalada no subsolo do edifício Marquês do Herval, na Avenida Rio Branco, a livraria, aberta há 63 anos, está entregando os pontos. Não resistiu à internet e ao e-book, além de sofrer com o esvaziamento do Centro do Rio.

A Leonardo Da Vinci também é vítima dos tempos modernos. Sua clientela envelheceu, e Milena Duchiade, que assumiu a gestão da loja no lugar de sua mãe, dona Vana, também já completou 60 anos. Quem gosta de livros no Rio tem sempre uma história para contar sobre dona Vana. Muitos são os casos de estudantes e jornalistas que foram pegos com a mão na botija, tentando levar um livro escondido sem passar pelo caixa. Flagrados pelos seguranças, levavam um sabão da proprietária, que, depois, lhes oferecia um parcelamento ou o empréstimo com data para a devolução. Ela sabia que nem todos tinham recursos para pagar as cobiçadas e necessárias obras literárias.

Nas estantes da Leonardo Da Vinci, havia e ainda há verdadeiros tesouros em vários idiomas. Durante muitos anos, no Rio, só dona Vana recebia encomendas de livros estrangeiros, o que tornava cativa sua clientela de escritores famosos, encabeçada por ninguém menos que o poeta Carlos Drummond de Andrade.

Há quem argumente que o fim da Leonardo Da Vinci não tem nada a ver com a pouca importância que nossos governantes dão à Cultura e à Educação. Lembram que Nova York também viu fechar a centenária Gotham Book Mart, na Rua 46, e a belíssima Rizzoli, na Rua 57. É fato, mas são exemplos de pontos comerciais que não resistiram à especulação imobiliária, e as duas charmosas livrarias deram lugar a prédios supervalorizados no centro de Manhattan.

O caso da Da Vinci é diferente. A todos os frequentadores que estão surpresos com a decisão da família Duchiade, Milena explica que o principal motivo — ao contrário de NY — é a crise do comércio no Centro do Rio provocada por obras intermináveis. Ela gostaria que alguém, com mais fôlego financeiro, levasse o negócio adiante. Parece que existem candidatos, mas, na pior hipótese, a maravilhosa livraria carioca vai desaparecer.

Na verdade, a Leonardo Da Vinci é uma pérola rara num país que não ama os livros. Fica, porém, o protesto do escritor americano Benjamin Moser, autor de uma biografia definitiva de Clarice Lispector: “Esses lugares não surgem à toa. Não devemos pensar que são facilmente substituíveis. É preciso gerações para construir uma história e um acervo como o da Leonardo Da Vinci”.

Diante da morte anunciada da livraria, Moser conclui que “o Brasil está pirando”. Tem razão. No Brasil, em lugar de cobrar mais investimento em Educação, os políticos querem menores de 18 anos na prisão.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *