Últimas

Em referendo, Luxemburgo recusa direito de voto a estrangeiros

Publicidade

Os eleitores de Luxemburgo recusaram de forma clara, em um referendo realizado neste domingo (7), conceder o direito de voto aos estrangeiros, que representam cerca de 46% da população.

A decisão significa um fracasso para o primeiro-ministro liberal, Xavier Bettel.

O “não” recebeu 78% dos votos.

“A mensagem é clara e foi bem entendida. Não é um êxito para os partidos do governo. Respeitaremos o resultado”, disse Bettel, um liberal de 42 anos que chegou ao governo no final de 2013.

Anthony Dehez/AFP
Cartaz do Partido Democrático defende o "sim" ao direito de voto de estrangeiros em Luxemburgo
Cartaz do Partido Democrático defende o “sim” ao direito de voto de estrangeiros em Luxemburgo

As outras duas perguntas do referendo também obtiveram “não” como resposta: o direito de voto para 16 anos (80,87% para o “não”) e a limitação a dez anos consecutivos dos mandatos dos ministros (69,93% para o “não”).

À frente de um governo de coalizão com os socialistas e os verdes, Bettel fez campanha até o sábado a favor do “sim”, defendendo “mais democracia (…) juventude e diversidade”.

“Não haverá um antes e um depois após o referendo”, lamentou.

“Mas há um só Luxemburgo, uma só sociedade, na qual devemos conviver”, declarou neste domingo.

Esperava-se que votassem 244.380 eleitores luxemburgueses, de uma população total de 565.000 habitantes.

Outorgar o direito de voto aos estrangeiros que residem em Luxemburgo há mais de dez anos afetaria, principalmente, europeus -em primeiro lugar os portugueses, que representam 16,4% da população. Os estrangeiros não europeus constituem 7% da população.

Os luxemburgueses temem a diluição de sua influência na sociedade.

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *