Últimas

Gabas sinaliza veto e diz que regras levarão ao colapso da Previdência

Brasília – O ministro da Previdência, Carlos Gabas, disse nesta segunda-feira que a aprovação do fim do fator previdenciário pelo Congresso antecipa uma discussão sobre a Previdência Social de forma “insustentável”. Segundo ele, a se manter as regras atuais, e ainda com o fim do fator, o país terá, certamente, uma Previdência Social totalmente inviável. “Em 2030, já não fecha (a conta)”, disse o ministro, após se reunir com representantes das centrais sindicais no Palácio do Planalto.

Na reunião, enquanto o governo apresentou um diagnóstico nada otimista sobre as perspectivas para o futuro, os sindicalistas fizeram um apelo para que a presidente não vete a medida que acaba com o fator previdenciário, decisão que terá que ser tomada até a próxima quarta-feira (17) quando vence o prazo de 15 dias uteis após a aprovação da medida pelo Legislativo.


Ministro da Previdência, Carlos Gabas sinaliza veto e diz que regras levarão ao colapso da Previdência

Foto:  Fernando Souza / Agência O Dia

A intenção do governo é de vetar a regra e discutir as mudanças no fórum criado, por decreto da presidente, para debater, entre outros temas, a sustentabilidade da Previdência. “A aprovação da emenda antecipa uma discussão de uma forma insustentável porque ela não abrange todo conteúdo. Não era este o caminho que discutimos em 2008. Isso foi lembrado pelas próprias centrais. O que queremos é uma discussão que tivesse um caráter definitivo”, disse Gabas.

“A aprovação desta regra, por parte do Congresso, simplesmente agrava a situação da Previdência Social”, disse o ministro, que se dedicou a apresentar dados demográficos que indicam o aumento da população idosa brasileira.

“Temos um cenário de transição demográfica, isso não é novidade para ninguém. Todos nós sabemos que as pessoas estão vivendo mais, o que é muito bom. A nossa população está envelhecemos, é natural”, disse.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *