Últimas

Grampos de metal contra estacionamento deixam homem ferido

Egilson Soares ia trabalhar quando pisou nos grampos e cortou o pé (Jeferson Silva/Divulgação)
Egilson Soares ia trabalhar quando pisou nos grampos e cortou o pé

A intolerância a estacionamentos irregulares chegou ao extremo de oferecer risco à integridade física das pessoas, no Recife. O proprietário de um imóvel na Rua João Ivo, próxima à Avenida Abdias de Carvalho, instalou grampos perfurantes de metal na área externa para impedir que veículos parem na sua propriedade. Ele talvez não tenha se dado conta do perigo da atitude. Foi preciso uma pessoa passar e se machucar no local para que a prefeitura soubesse e mandasse inutilizar os grampos.

O técnico em refrigeração Egilson Soareas da Silva, 46 anos, foi a vítima. Ele ia trabalhar, na manhã desta segunda-feira (15), quando pisou nos grampos. Um deles rasgou seu tênis e entrou no seu pé. Ele precisou de atendimento médico. Foi socorrido por pessoas que viram o acidente e levado para a policlínica Lessa de Andrade.

Revoltado, Egilson Soares saiu da unidade de saúde direto para a Delegacia da Mustardinha, onde prestou queixa de lesão corporal. Mas também vai procurar a Justiça. “Foi muito sangue. Chamei a polícia, mas mandaram ir à delegacia. Nunca imaginei que teriam grampos numa ali. Se não tivesse acontecido comigo, poderia ter sido com uma criança ou idoso, ele (o dono da casa) ia matar alguém”, ressaltou.

Nesta terça-feira (16), Egilson vai ao IML fazer a perícia que deve indicar quantos dias passará sem trabalhar. Mas a médica que o atendeu indicou aproximadamente cinco dias. Como é autônomo, será o repouso do prejuízo, sem contar com os gastos com medicamentos que deverá tomar.

O proprietário (nome preservado) alegou que precisou colocar os grampos porque já instalou correntes e cabos de aço várias vezes, mas todos foram roubados. “Coloquei na minha propriedade, não foi em área pública. Os caminhões estacionados estavam danificando o piso da casa, mas ninguém iria me reembolsar”, argumentou.

O delegado da Mustardinha, Ademar Cândido, informou que o caso será investigado pela Delegacia do Cordeiro porque a área é considerada bairro da Madalena. Segundo Cândido, o proprietário pode ser indiciado por lesão corporal culposa (sem intenção). O imóvel era alugado e lá funcionava uma assistência técnica, mas atualmente está desocupado e com placa de aluga-se.

A prefeitura informou que inutilizou os grampos baseada no Código de Urbanismo e Obras, que permite a ação municipal “quando uma instalação ou aparelhamento de qualquer espécie se tornar incômodo, nocivo ou perigoso sob qualquer aspecto”.

Saiba mais

A Prefeitura do Recife retirou os grampos baseada na Lei municipal 7.427, de 19 de outubro de 1961, que estabelece o Código de Urbanismo e Obras do Recife

Umas das sessões trata da Codificação das Normas de Urbanismo e Obras

O artigo n° 174 da Codificação diz que “a vistoria administrativa será feita quando uma instalação ou aparelhamento de qualquer espécie perturbar o sossego e repouso da vizinhança ou se tornar incômodo, nocivo ou perigoso sob qualquer aspecto”

Como o rapaz cortou o pé, prestou queixa de lesão corporal. O proprietário do imóvel pode ser indiciado por lesão corporal culposa

A queixa foi prestada na Delegacia da Mustardinha, mas será investigada pela Delegacia do Cordeiro

Fontes: Prefeitura do Recife e Delegacia da Mustardinha

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *