Últimas

Aos 19, ginasta que sustenta a família ganha 1º ouro da Guatemala no Pan

Publicidade

Jorge Alfredo Vega López caminhava com dois de seus cinco irmãos por uma das ruas de Antigua Guatemala quando se deparou, por acaso, pela primeira vez com a ginástica. A partir daquele momento, aos oito anos, passaria a entrar diariamente no ginásio que mudaria sua vida.

Então começou a treinar o esporte que lhe tiraria da pequena cidade de Jocotenango, com cerca de 18 mil habitantes. Os dois irmãos não tiveram a mesma sorte e deixaram a ginástica –em um acidente, um perdeu um olho e o outro sofreu uma grave lesão na perna.

Mas Jorge Alfredo continuou sua jornada. Três anos depois de sua iniciação no esporte deixou a mãe, três irmãos e duas irmãs para morar na capital da Guatemala. O pai ele nunca conheceu.

Nesta terça-feira (14), no Canadá, o ginasta surpreendeu a todos e conquistou o título no solo no Pan de Toronto. Foi o primeiro ouro da Guatemala nestes Jogos e o primeiro da história do país da América Central na ginástica masculina (ganhara na feminina em 2011).

Nesta quarta-feira (15), dia em que completa 20 anos, ele volta a competir no Coliseu de Toronto em busca de mais um pódio, agora no salto.

“Eu queria ganhar um Pachi [mascote do Pan]”, disse o ginasta que sonha em comprar uma casa própria para a mãe e os irmãos. “Nunca imaginei que poderia tocar este ouro”.

Para treinar ginástica longe do vilarejo onde vivia, a mãe dava 30 dos 100 dólares que ganhava diariamente para o garoto pagar transporte e alimentação. Hoje é ele quem dá dinheiro aos familiares.

“Não ganho quase nada [com a ginástica] e tenho que sustentar meus irmãos”, contou Jorge.

Quando perceberam seu talento, ele passou a receber ajuda de Patricia de Rosales, presidente da federação de ginástica da Guatemala, a quem considera como uma mãe e dedicou o ouro desta terça.

E se em suas apresentações o garoto de 1,48 m parece voar, quando pensa no futuro o campeão pan-americano mantém os pés no chão e nem sequer acredita que se classificará para os Jogos Olímpicos do Rio.

“Estamos planejando ir para Tóquio-2020, mas quando formos vai ser para fazermos algo”, afirmou.

A opinião é compartilhada por seu técnico, Sérgio Tejada.

“É grande a evolução dele. Não para o Rio, mas, na próxima Olimpíada, com certeza, ele vai. Temos uma perspectiva muito grande. Pode ser medalhistas nos Jogos Olímpicos de 2020, no solo e no salto”, projetou Tejeda.

Segundo o treinador, além das conquistas esportivas, Jorge quer aproveitar o esporte para ajudar as pessoas.

“É um feito histórico [para Guatemala]. Pararam as aulas para ver pela internet a apresentação dele. Ele dá um pouco de alegria ao povo em meio à tanta violência”, contou o treinador, que também não acreditava no título no Pan.

“Pensávamos na prata, mas Deus nos deu um empurrãozinho”, concluiu.

Hector Retamal/AFP
O guatemalteca Jorge Alfredo Vega López comemora a medalha de ouro no pódio
O guatemalteca Jorge Alfredo Vega López comemora a medalha de ouro no pódio

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *