Últimas

Apple perde dois Bancos do Brasil em um dia após frustração com balanço

Publicidade

Se um observador casual ouvisse dizer que uma das maiores empresas do mundo registrou alta de mais de um terço em seu faturamento e lucro, provavelmente consideraria que se trata de um desempenho forte.

Mas a Apple é tratada diferentemente por Wall Street. Depois que as vendas do iPhone ficaram ligeiramente abaixo das expectativas dos investidores, estes eliminaram US$ 38 bilhões de seu valor de mercado nas transações da manhã desta quarta-feira (22). As ações fecharam o dia em queda de 4,23%, cotadas a US$ 125,22.

O valor de mercado, convertido para real, equivale a cerca de R$ 122 bilhões, ou duas vezes o Banco do Brasil.

Marcio Jose Sanchez – 9.set.14/Associated Press
O diretor executivo da Apple, Tim Cook, durante apresentação do Apple Watch, em Cupertino (Califórnia)
O diretor executivo da Apple, Tim Cook, durante apresentação do Apple Watch, em Cupertino (Califórnia)

“Existe uma forte sensação de que a história está se repetindo”, diz Geoff Blaber, analista da CCS Insight.

“Eles vêm apresentando desempenho superior ao esperado a cada trimestre, mas não é possível continuar a fazê-lo indefinidamente. Eles estão em um ponto no qual qualquer ligeira queda causa reação instintiva dos investidores.”

Para os observadores mais atentos da companhia mais valiosa do planeta, o padrão já se tornou bem familiar. A Apple deslumbra os investidores com uma série de trimestres fortes, superiores a todas as expectativas; as ações sobem –como aconteceu neste ano, com 18% de alta antes do anúncio de resultados trimestrais na terça-feira (21)– e então os acionistas entram em pânico quando os novos resultados não satisfazem suas expectativas sempre mais ambiciosas.

A questão que Tim Cook, o presidente-executivo da Apple, precisa responder é se os sinais de reação registrados na terça-feira são uma repetição do acontecido nesse momento do ano passado, quando os investidores rapidamente superaram um anúncio de resultados trimestrais que não conseguiu derrubar suas projeções, ou do acontecido em 2012, quando as preocupações sobre o crescimento do iPhone em longo prazo causaram meses de queda nos preços das ações da empresa.

“Suspeito que o grande desafio, até o segundo semestre de 2016, seja que o crescimento do iPhone comece a desacelerar”, diz Blaber. “A questão, então, será de onde virá o crescimento.”

CHINA E APPLE WATCH

Na conversa telefônica com analistas sobre os resultados da empresa, terça-feira, estes pressionaram Cook quanto às perspectivas de dois potenciais propulsores de crescimento para sua empresa: a China e o Apple Watch.

As flutuações do mercado chinês de ações despertaram dúvidas sobre o poder de consumo da classe média do país, que vem bancando a popularidade do iPhone no segundo maior mercado da Apple.
Mas Cook descartou essas preocupações. “Continuamos extremamente otimistas quanto à China, e continuamos a investir”, ele disse. Só uma “estreita fatia” da população do país investe no mercado de ações, afirmou, e “uma porção menor de seu patrimônio” do que é o caso entre os norte-americanos. Para a Apple, “essa preocupação está sendo provavelmente exagerada”, ele disse.

A companhia também enfrenta crescente concorrência na China. Analistas da Jefferies informaram em nota que ela estava sob pressão da Huawei e Xiaomi, especialmente. Mesmo assim, a corretora afirmou que “a imagem de marca superior” da Apple havia ajudado a elevar sua fatia de mercado no país de 6% para 18% nos últimos nove meses.

Mas os comentários da Apple sobre o Watch foram menos objetivos.

A companhia afirmou no ano passado que não informaria os números de vendas de seu relógio por motivos de concorrência. Em lugar disso, os resultados do relógio seriam acrescidos aos dos fones de ouvidos, iPods e outros acessórios como parte da categoria “outros produtos”. O segmento registrou crescimento de vendas de 49%, para US$ 2,6 bilhões no mais recente trimestre, o que inicialmente causou confusão entre alguns analistas.

Presumindo um preço médio de venda de US$ 550 (os relógios da Apple custam entre US$ 350 e US$ 17 mil), Gene Munster, do banco de investimento Piper Jaffray, fez um cálculo inicial de que a Apple talvez tivesse vendido apenas 1,2 milhão de relógios no período, bem abaixo de sua projeção anterior, de 3 milhões.

Mas Cook apresentou um panorama mais confiante, na esperança de que os analistas “evitem tirar conclusões equivocadas”. Porque o iPod e outros acessórios tiveram queda de vendas no período, as vendas do relógio foram superiores ao ritmo de crescimento da categoria “outros produtos”, implicando um faturamento de pelo menos US$ 1 bilhão para o novo aparelho em suas primeiras nove semanas.

“As vendas do Watch superaram as nossas expectativas e o fizeram a despeito de a oferta ainda estar abaixo da procura no final do trimestre”, disse ele.

Cook também disse que o Apple Watch vendeu mais que o iPhone e o iPad quando de seus lançamentos. A Apple vendeu mais de 3 milhões de unidades de seu tablet no trimestre de seu lançamento, em 2010.

Munster subsequentemente revisou sua estimativa quanto ao número de relógios vendidos pela Apple, calculando-o em 2,5 milhões, e outros analistas chegaram a cômputo semelhante.

Embora muita gente sugira que isso já faz do Apple Watch o relógio inteligente mais vendido, ainda assim o número ficou abaixo das expectativas dos analistas, que previam vendas de entre 3 milhões e 5 milhões de unidades no período.

Walt Piecyk, da BTIG Research, reduziu sua projeção para o terceiro trimestre de 8,9 milhões a 5 milhões de unidades vendidas, como resultado. “É difícil prever os resultados desse produto, certamente, mas continuamos otimistas quanto ao seu potencial de atração de compradores, ao nos aproximarmos da temporada de festas”, ele disse.

O Morgan Stanley também reduziu sua projeção de vendas anuais do Apple Watch de 50 milhões a 42 milhões de unidades no ano que vem, dado o “começo mais lento”.

“Acreditamos que seja difícil interpretar positivamente o embarque de 2,2 milhões de relógios Apple no segundo trimestre, já que ele ficou abaixo de nossa estimativa de três milhões de unidades”, escreveu a analista Katy Huberty. “Atribuímos a queda a limitações de oferta, distribuição e compatibilidade de apps, no início do ciclo de produção”.

Se de fato as vendas ficaram abaixo do esperado, Cook não parece preocupado. “Nosso objetivo no trimestre não eram primariamente as vendas”, ele disse. Em lugar disso, ele apontou para os 8,5 mil apps disponíveis para o aparelho e para uma pesquisa de analistas da Wristly que indica satisfação de 97% entre os consumidores, o que coloca o Apple Watch à frente dos primeiros iPhone e iPad.

Ele disse que, se a satisfação dos consumidores é alta, “você pode terminar se saindo bem, com o tempo”, e acrescentou que “estamos convencidos de que o Apple Watch será um dos principais presentes da temporada de festas”.

Determinar se Wall Street está convencida disso só será possível nos próximos meses.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Colaborou TONI SCIARRETTA, de São Paulo

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *