Últimas

Ataques aéreos sauditas deixam mais de cem mortos no Iêmen

Mercados são alvos de bombardeios da coalizão liderada pela Arábia Saudita. Maioria das vítimas era civil. Ataques em diversas cidades visam redutos de rebeldes houthis.

Ataques aéreos comandados pela coalizão liderada pela Arábia Saudita nesta segunda-feira (06/07) mataram mais de cem pessoas, a maioria civil, e deixaram dezenas de feridos no Iêmen.

Em Amran, um bombardeio em um mercado matou pelo menos 40 pessoas, entre elas mulheres e crianças, afirmaram testemunhas. O avião disparou o míssil na manhã, quando o local estava lotado. Segundo a agência de notícias Saba, controlada pelos houthis, a maioria das vítimas era vendedor ou cliente.

Na província de Lahesh, mais de 50 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas, em um ataque a um mercado na zona de Fayoush. “Eu cheguei logo após a explosão e vi dezenas de mortos e um mar de sangue, enquanto os feridos eram levados para o hospital”, afirmou Abu Ali al-Azibi, morador da cidade. A coalizão não se manifestou sobre os bombardeios.

Outro ataque aéreo semelhante, em Amran, também causou a morte de dezenas de civis. A Arábia Saudita iniciou em março a campanha aérea no Iêmen, numa tentativa de derrotar os rebeldes houthis e restituir o governo do presidente exilado Abd Rabbuh Mansur al-Hadi.

No domingo, os aliados sauditas iniciaram uma série de ataques à sede do partido do ex-presidente iemenita Ali Abdullah Saleh, na capital Sanaa. Tropas leais a Saleh têm desempenhado um papel significativo ajudando os houthis a capturar boa parte do país. Saleh governou o Iêmen, por três décadas, antes de ser forçado a renunciar em meio a uma revolta violenta em 2012.

Em um comunicado, o partido alegou que o bombardeio era uma tentativa de sabotar a missão do enviado especial da ONU para o Iêmen que estava reunido com representantes do grupo no momento dos ataques. Ismail Ould Cheikh Ahmed chegou ao país no domingo e tenta negociar um cessar-fogo para o conflito.

CN/efe/lusa/rtr/dpa

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *