Boko Haram reivindica atentados no Chade e Nigéria

O grupo islamita Boko Haram reivindicou neste sábado os atentados em Yamena, a capital do Chade, e na cidade nigeriana de Maiduguri, indicou o Grupo de Inteligência SITE, que monitora sites jihadistas.

O grupo de monitoramento com sede nos Estados Unidos afirmou que a reivindicação foi feita através do Twitter e assinada por “Estado Islâmico, Província da África Ocidental”, como se autodenomina o Boko Haram desde sua adesão ao Estado Islâmico em março passado.

“A província da África Ocidental (ex-Boko Haram) do EI reivindicou os atentados suicidas de hoje (sábado) no Chade e na Nigéria”, afirma o SITE no Twitter.

O comunicado que cita o tuíte do Boko Haram identifica os atacantes e assinala que o grupo afirma ter “golpeado bolsões de descrença na África Ocidental”.

Um suicida disfarçado de mulher matou pelo menos 14 pessoas ao detonar os explosivos presos ao corpo no mercado central de N’Djamena, a capital de Chade. 

O suicida também morreu na explosão. A cabeça do homem-bomba foi encontrada no local do atentado e as autoridades exibiram aos jornalistas.

Após os atentados de junho, o Chade proibiu o véu islâmico integral (niqab) e bombardeou posições do Boko Haram na Nigéria.

Na área do atentado deste sábado, os comerciantes abandonaram suas mercadorias em meio ao pânico. As forças de segurança do Chade isolaram o bairro, que fica no centro da capital, e o primeiro-ministro Kalzeube Pahimi Deubet convocou um Conselho de Segurança. 

O exército do Chade está na linha de frente da operação militar regional contra os insurgentes do Boko Haram, que intensificaram os atentados suicidas nas últimas semanas no nordeste da Nigéria.

Na manhã deste sábado, dois homens-bomba mataram duas pessoas em uma estação de ônibus em Maiduguri (nordeste).

Onze pessoas morreram na sexta-feira à noite em um ataque de combatentes do grupo islamita Boko Haram em um vilarejo remoto do nordeste da Nigéria, informaram à AFP habitantes e um integrante de uma milícia civil.

O grupo islamita opera desde 2009 na Nigéria, onde a insurreição e a repressão deixaram mais de 15 mil mortos. Nos últimos 10 dias, pelo menos 280 pessoas morreram em ataques islamitas, explosões e atentados suicidas.

Fonte: Band.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *