Em crise, Sabesp quer arrecadar R$ 196 milhões com venda de imóveis

Publicidade

A Sabesp espera arrecadar R$ 196 milhões com a venda das “joias da vovó”. Foi assim que o presidente da empresa, Jerson Kelman, se referiu em entrevista à Folha ao conjunto de 24 imóveis e terrenos inativos da Sabesp que deverão ser vendidos para diminuir o prejuízo financeiro da estatal causado pela crise hídrica no Estado de São Paulo.

A venda desses imóveis na Grande São Paulo e no interior do Estado, excluindo o litoral paulista, é uma forma encontrada pela Sabesp de arrecadar dinheiro a curto prazo.

Dos 24 imóveis listados pela empresa, dois já foram vendidos. A Sabesp espera vender outros seis até o final do ano. Os outros 16 imóveis deverão ser vendidos ao longo do ano de 2016.

Embora os imóveis devam passar por negociações, a expectativa é conseguir R$ 196 milhões com as vendas. Com esse valor, seria possível pagar pela interligação da represa do Rio Grande com o sistema Alto Tietê. Essa obra, que é a principal aposta da Sabesp, empresa de saneamento básico, e do governo do Estado para evitar um rodízio de água nos próximos meses, custa R$ 135 milhões, segundo a Sabesp.

Para que sejam negociados, os imóveis ainda dependem de aprovações da Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de S. Paulo) e do Conselho do Patrimônio do Estado de São Paulo.

COBRANÇA DE DÍVIDAS

Outra forma que a Sabesp encontrou para arrecadar dinheiro, diante de sua dívida financeira, é cobrar os municípios que têm dívidas com a empresa.

Para isso, a estatal enviou ao Cadin (cadastro estadual de inadimplentes) uma lista de 22 municípios que estão com faturas em aberto. Essa medida faz parte de um grande plano de ações judiciais de cobrança que vem sendo costurado pelos advogados da Sabesp desde abril.

A Sabesp não revela os nomes das cidades reportadas ao Cadin, pois argumenta que parte dos municípios ainda estão dentro do prazo para se regularizarem. Entre elas, no entanto, estão os municípios de Guarulhos, Santo André e Mauá que devem cerca de R$ 6,6 bilhões. Os três municípios questionam a dívida.

A inscrição de um município no Cadin inviabiliza o repasse de verbas estaduais e o acesso a algumas linhas crédito.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu nesta segunda-feira (20) que a Sabesp aumente a cobrança sobre municípios paulistas que fizeram dívidas no pagamento da conta de água.

“É dever da empresa cobrar aqueles não pagam, especialmente quando são órgãos públicos. É claro que se há uma dívida maior, pode-se parcelá-la e busca-se um entendimento”, afirmou.

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *