Últimas

Em Minas, ladrão devolve pertences de vítima e pede perdão em bilhete

Um assaltante “arrependido” devolveu objetos roubados de uma mulher e ainda escreveu um bilhete pedindo perdão a ela pelo episódio.

Segundo a auxiliar de serviços gerais Eva da Silva Alves, 36, o assalto ocorreu no dia 1º deste mês, no bairro Jardim dos Comerciários, na região norte de Belo Horizonte.

No recado escrito no caderno utilizado por ela em um supletivo, o ladrão ainda justificou o assalto dizendo que estava desempregado e “passando necessidade”.

“Quase chorei quando vi a sacola de pães na mochila e a foto dos seus filhos pequenos”, disse no bilhete.

“Sei que não justifica meu erro, mas não tinha a intenção em lhe machucar. Sou ex-evangélico. Me perdoe, por favor? Deus te abençoe”, finaliza.

Eva afirmou ter “chorado muito” ao reaver seus pertences pessoais, na última sexta-feira (4), e ao ler a nota escrita no caderno.

“Eu pedi muito a Deus, com muita fé, que tocasse no coração dele, porque só Ele sabe a dificuldade que tenho para estudar”, afirmou a mulher, que tenta concluir o ensino fundamental.

“Eu precisava muito do meu caderno, porque tinha prova para fazer, e dos trabalhos que tinha de entregar na escola. Tudo estava dentro da mochila”, afirmou.

Segundo ela, o material foi deixado em uma escola infantil que funciona nas proximidades de onde reside. O suspeito entregou os documentos pessoais e cartões bancários, mas, conforme a vítima, o aparelho celular, um alicate de cutícula e sua carteira, além de produtos de maquiagem, não foram devolvidos.

“O pessoal de lá ligou para a empresa onde trabalho porque meu contracheque estava dentro da mochila. Eu não acreditei e chorei muito. Apesar de ele não ter devolvido tudo, eu o perdoo e espero que ele arrume um emprego. Eu peço a Deus por ele, para que ele não faça isso com mais ninguém”, afirmou.

Eva disse que havia fotografias de seus dois filhos no aparelho celular. “Ele deve ter visto as fotos. Meu aparelho de celular não tem senha”, declarou.

O assalto

Segundo Eva, na noite do dia 1º deste mês, o homem a abordou, de maneira muito agressiva, quando ela estava na rua de sua casa por volta das 22h.

“Ele me abordou e disse que não era para eu gritar nem correr. Ele levantou a blusa e parecia que estava com um revólver na cintura. Ele me pediu dinheiro, mas eu fiquei muito assustada e não conseguia me mexer”, disse.

Conforme o relato dela, em seguida, o homem pegou a mochila e ordenou a ela que continuasse andando, sem olhar para trás. A vítima disse ter registrado um boletim de ocorrência na Polícia Militar. O criminoso ainda não foi localizado.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *