Últimas

Faixa de pedestre e posição do sol atraem ou afastam cliente; veja 10 dicas

A incidência de sol na vitrine pode atrapalhar a visualização das mercadorias expostas, assim como a ausência de faixa de pedestres perto do estabelecimento pode prejudicar o fluxo de clientes. São detalhes pouco observados na hora de escolher o ponto comercial, mas que podem fazer toda a diferença para a empresa que começa.

A procura pelo ponto comercial é uma das etapas mais importantes para quem vai abrir o negócio próprio, pois pode determinar o sucesso ou o fracasso da empreitada, segundo especialistas ouvidas pelo UOL. É também um dos itens mais caros do projeto, seja pelos gastos iniciais com construção ou reforma do imóvel, seja pelos desembolsos contínuos de um aluguel comercial.

“Você pode ter o melhor produto e a melhor equipe de atendimento, mas, se abrir sua loja no local errado, todo o investimento será desperdiçado”, afirma Valéria Duarte, diretora de desenvolvimento da Geofusion, empresa de inteligência geográfica de mercado.

Ela diz que o melhor local varia de acordo com o produto ou serviço oferecido e, principalmente, com o perfil do consumidor. “Olhe para o seu negócio e entenda quem é o seu público-alvo e qual é o volume de clientes necessário para sustentá-lo. Depois disso, é hora de reunir dados do mercado. É importante ter informações sobre as pessoas que vivem e frequentam a região”, declara.

Questões burocráticas, como documentação do imóvel e lei de zoneamento municipal, também devem ser observadas, de acordo com Barbara Kemp, sócia-fundadora da Kemp, que elabora projetos e faz gerenciamento de obras para o varejo.

Abaixo, as duas especialistas dão 10 dicas do que levar em conta na hora de escolher o ponto comercial:

1.Encontre seus consumidores
Shutterstock

O melhor lugar será o que concentrar o maior número de pessoas com potencial para adquirir o produto ou serviço que será oferecido. Avalie se existe uma grande quantidade de compradores na área de influência do seu negócio. E não basta ter muitas pessoas, é preciso que elas sejam o público-alvo da empresa.

2.Considere os vizinhos concorrentes
Ze Carlos Barretta/Folhapress

Dependendo do segmento de atuação, é interessante se instalar perto da concorrência. No caso de lojas de móveis e praças de alimentação de shopping centers, por exemplo, as compras são feitas por comparação. Em outras situações, vale estar perto de comércios e serviços complementares. Uma sapataria pode se instalar ao lado de lojas de roupas e acessórios.

3.Faça várias visitas, em diferentes horários
Victor Moriyama/Folhapress

Coloque-se no lugar do seu consumidor. Visite o imóvel de manhã, à tarde e à noite, durante a semana e aos fins de semana. É importante para conhecer a movimentação em todos os horários. Vá a pé, de transporte público, de carro e de bicicleta. Faça várias opções de caminho e em diferentes horários. Durante o dia, o local pode ser bom, mas à noite, mal frequentado. Evite surpresas desagradáveis.

4.Avalie a acessibilidade
Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Como o seu cliente se locomove? Se for de carro, é importante ter estacionamento próximo. Se for a pé, avalie se há faixa de pedestre perto.

“Uma cafeteria abriu uma unidade em um local em que só se chegava por uma rua, pois não havia faixa de pedestre nem semáforo. Isso dificultava o acesso, diminuindo o fluxo de clientes. Se puder analisar estes detalhes antes de investir no imóvel, melhor”, diz Duarte.

5.Escolha o lado da rua
Vitor M/Projetor/Folhapress

A aquisição do seu produto ou serviço é realizada quando o cliente está indo para o trabalho ou voltando para casa? Isso pode diferença na escolha do lado da rua. Bancos, lotéricas e Correios, por exemplo, ganham vantagem competitiva se ficam no sentido centro. A direção bairro, ou seja, na volta para casa, costuma ser mais vantajosa para farmácias e padarias.

A posição do sol é outro detalhe importante. Se refletir muito na vitrine, pode impedir que as pessoas vejam os produtos.

6. Esteja visível
Danilo Verpa/Folhapress

Alguns detalhes podem dificultar a visualização da fachada, como rede elétrica na rua, árvores ou banca de jornal em frente ao imóvel. Se houver feira livre na rua, pode resultar em um dia a menos de faturamento. Nem todos os tipos de comércio e serviço precisam estar na esquina das avenidas mais movimentadas da cidade, mas é importante que estejam visíveis para o público-alvo.

7.Peça a documentação do imóvel
Edson Lopes Jr./Folha Imagem

Todas as documentações do imóvel precisam estar em ordem para que o empresário possa solicitar o alvará de funcionamento de seu negócio.  É necessário sempre solicitar ao proprietário, mesmo em fase de prospecção, os seguintes documentos: projeto da prefeitura aprovado; IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano); Habite-se e AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros).

8.Conheça a lei de zoneamento
Folha Imagem

Os imóveis estão sujeitos a uma lei de zoneamento municipal. Cada local tem restrições específicas. Pode haver diferença até mesmo de um quarteirão para o outro.

É importante verificar em qual legislação está enquadrado o imóvel e para quais fins será usado. Assim, será possível identificar as restrições, que podem, em alguns casos, inviabilizar o funcionamento do negócio. Em caso de construção, é necessário um alvará específico para iniciar as obras. Empresas especializadas podem ajudar nos estudos de viabilidade legal.

9.Avalie a entrada de energia elétrica
Matuiti Mayezo/Folhapress

Este é um item que pode inviabilizar a implantação de um ponto de venda, por ser caro e demorado. A entrada de energia tem um dimensionamento específico e dependerá do tipo de negócio e dos aparelhos que serão usados no estabelecimento. Os equipamentos que mais consomem energia são ar-condicionado, refrigeradores, microondas, torradeira e fritadeira elétrica, segundo Kemp.

Pode ser necessário um projeto para aumentar a carga do relógio existente, o que deve ser feito por um engenheiro elétrico. O processo de adequação das instalações elétricas demora em torno de 60 dias.

10.Confira a caixa d’água
Davi Ribeiro/Folhapress

Com a atual crise hídrica em algumas localidades, é preciso estar atento ao funcionamento do abastecimento de água. Analisar o tamanho da caixa d’água e se está em condições adequadas para o uso é essencial para evitar problemas com a falta do recurso e ter de improvisar. Em imóveis acima de 750 m² é necessária a colocação de hidrante e uma caixa d’água específica para bombeiros.

Lojas fazem promoções para enfrentar a crise

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *