Últimas

IGP-10 avança para 0,75% em julho e tem 6,55% de alta em 12 meses

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) avançou para 0,75% em julho, depois de se situar em 0,57% um mês antes. No ano, o indicador acumula alta de 4,89% e, em 12 meses, de 6,55%. O indicador divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) reflete, nesta edição, os preços coletados entre os dias 11 de junho e 10 de julho.

Entre os três grupos que compõem o IGP-10, o Índice de Preços a Produtor Amplo (IPA), que representa cerca de 60% dos IGPs, dobrou sua taxa em julho, para 0,70%, após ter avanço de 0,34% em junho. Entre os estágios da produção, a principal influência foi o salto no custo das matérias-primas brutas, de deflação de 0,11% em junho para alta de 1,31% neste mês. Individualmente, os itens que mais contribuíram para esse movimento foram a soja em grão (-1,39% para 3,03%), as aves (-1,92% para 6,89%) e o milho em grão (-6,07% para -0,26%).

Com os três itens empurrando as matérias-primas brutas, os produtos agropecuários no IPA deixaram para trás a queda de 0,50% em junho para elevação de 0,89% em julho. Os preços dos produtos industriais passaram de um incremento de 0,66% para 0,63%.

O ìndice de Preços ao Consumidor (IPC), por sua vez, subiu 0,69% em julho, vindo de uma alta de 0,80% um mês antes. Cinco das oito classes de despesa avaliadas tiveram taxas menores em julho, com destaque para Despesas diversas, que foram de 4,35% para 1,96% de aumento, influenciadas pelo item jogos lotéricos (38,39% para 12,66%).

Também tiveram altas menos marcadas entre junho e julho os grupos Educação, leitura e recreação (0,94% para 0,23%), Saúde e cuidados pessoais (0,91% para 0,62%), Alimentação (0,92% para 0,89%) e Vestuário (0,58% para 0,43%). Em contrapartida, subiram mais Habitação (0,68% para 0,86%), Comunicação (0,06% para 0,49%) e Transportes (0,25% para 0,29%).

Já o Índice Nacional da Construção Civil (INCC) aumentou 1,21% em julho, seguindo incremento de 1,48% em junho. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços subiu 0,19% e o índice que representa o custo da mão de obra teve acréscimo de 2,12%.

Fonte: Bol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *