Últimas

Mary Rangel: Igualdade e dignidade

Rio – Há muitas questões envolvidas no âmbito da qualidade de vida e da saúde, considerando a importância de relações saudáveis e inclusivas. Entre essas questões estão as sobre a dialética inclusão/exclusão, a desigualdade e a estratificação social e a desconsideração da política, em seu sentido de ciência do bem público.

Além desses fatores, que prejudicam as condições de promover uma sociedade saudável, há outros que agem em favor da saúde social. Entre eles, os que se inscrevem no campo pedagógico, a exemplo da formação escolar e acadêmica através de processos que se realizam de modo crítico e reflexivo, propiciando aos alunos a visão contextualizada do real e da importância dos direitos.

Observa-se, desse modo, que a Educação tem vários níveis nos quais se realizam as suas práticas formativas. Esses níveis se refletem nas práticas docentes, que incluem não só a competência didática, como as competências de sensibilização humana e de formação para a cidadania.

Na teoria política, encontram-se análises relevantes sobre os direitos humanos, sobre a liberdade e sobre o valor de movimentos sociais, ressaltando-se que o desrespeito aos direitos públicos fundamentais corresponde ao desrespeito à coletividade, influindo na desconsideração à democracia, podendo-se lembrar o quanto o autoritarismo destrói a liberdade, oprime os povos e lhes subtrai condições necessárias à qualidade da vida, que incluem a igualdade de tratamento a todos.

Sobre a desigualdade, estudos destacam os efeitos perversos, contribuindo para compreender que o respeito às diferenças é fator fundamental para a superação de arbitrariedades e de atitudes de exclusão e de naturalização da ausência de garantias de direitos.

Quanto ao respeito à igualdade, como princípio que rege a sociedade democrática, destaca-se a sua relevância para a vida e a convivência, nas quais o acolhimento e a inclusão das diferenças, sejam elas de natureza étnico-racial, de cultura, de religião e de gênero.

É importante que os efeitos das desigualdades sociais e suas relações com práticas excludentes sejam objeto da Educação e da formação de indivíduos capazes de reflexão crítica e de atitudes em favor do significado real da democracia e do respeito.

Mary Rangel é autora do livro ‘A escola diante da diversidade’

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *