Produção paulista de roupas diminui 40%

A desaceleração do varejo fez a produção de roupas do Estado de São Paulo cair cerca de 40% no primeiro semestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2014, segundo dados preliminares do Sindivestuário (sindicato das confecções).

Em todo o país, o setor acumulou um recuo de 18% entre janeiro e maio.

Desde 2012, a indústria vem reduzindo o número de peças fabricadas. Primeiro, por causa das dificuldades de competir com os importados, principalmente os chineses, e agora devido à crise econômica brasileira.

“Nunca vi nada parecido nos últimos 40 anos. As empresas não conseguem vender. Estão só fazendo estoque”, diz o presidente da entidade, Ronald Masijah.

“Os bancos cortaram o crédito e as pessoas pararam de comprar. Veio a crise política e formou-se uma tempestade perfeita. Muitos estão com receio de perder o emprego.”

Em junho, aproximadamente 150 companhias fecharam no Estado, que tem 10 mil empresas em operação e é responsável por 40% da produção nacional. Nos últimos 12 meses encerrados em maio, 48 mil pessoas foram demitidas em todo o país –17% delas neste ano.

O Sindivestuário espera recuperar parte das vendas neste segundo semestre e fechar o ano com uma retração de 20% no Estado. Nacionalmente, o recuo deverá ficar ao redor de 16%, de acordo com Masijah, que também é sócio da fabricante paulistana de lingeries Darling.

*

De olho nos Jogos do Rio, grupo de aviação executiva investe R$ 30 mi

A Líder, de aviação executiva, vai expandir a sua estrutura nas áreas de atendimento aeroportuário e manutenção de aviões e helicópteros.

A empresa terá um novo hangar de 10 mil m² no aeroporto do Galeão, no Rio, com um aporte de R$ 30 milhões.

Um dos objetivos é ampliar o espaço disponível para a recepção de jatos executivos durante os Jogos Olímpicos.

“O número de países participantes da Olimpíada é ainda maior do que o da Copa, por isso esperamos um movimento superior”, diz a superintendente, Júnia Hermont. Durante o Mundial, a Líder prestou serviço a 620 aviões.

Na área de manutenção, a companhia pretende criar um centro de serviços no aeroporto de Itanhaém (SP).

A empresa construiu um hangar no local, com aporte de R$ 10 milhões, inicialmente para apoio a helicópteros que transportam passageiros para plataformas de petróleo.

Agora, vai adaptar o espaço para que também possa fazer consertos de aeronaves.

*

Sobe e desce da bomba

O preço médio do etanol no país teve redução de 0,42% em junho deste ano, em relação ao mês anterior, segundo o índice Ticket Car.

O litro do combustível custava R$ 2,63 no mês passado.

Roraima apresentou a maior redução no preço do litro do biocombustível entre maio e junho deste ano, de 2,56%, seguido por Paraná, que teve retração de 1,94%.

O preço mais barato do álcool em junho foi encontrado em São Paulo (R$ 1,99), e o mais caro, no Acre (3,06).

O diesel teve a segunda maior variação negativa em junho, na comparação com maio de 2015, de 0,20%. O litro era vendido a R$ 2,95 no mês passado.

A gasolina manteve-se estável, a R$ 3,46. O Paraná foi o Estado onde o custo do produto teve a maior retração no período, de 0,84%. Em Alagoas, ocorreu o maior incremento, de 1,46%.

O maior preço da gasolina em junho foi cobrado no Acre (R$ 3,81, o litro). O mais barato, em São Paulo (R$ 3,17).

*

Aporte… A Verde Campo, companhia do segmento de laticínios, aportará R$ 15 milhões para ampliar, no segundo semestre deste ano, os processos de automatização de sua linha de produção, sediada na cidade de Lavras (MG).

…no leite A partir de 2016, a fábrica terá o dobro da capacidade de processar leite, chegando a 6 milhões de litros por mês. A empresa produz derivados de leite sem lactose. Neste ano, prevê faturar R$ 150 milhões, 15% a mais que em 2014.

Tecnologia A Desenvolve SP (agência de desenvolvimento paulista) financiou R$ 13,9 milhões neste ano em projetos de inovação para pequenas e médias empresas. O montante é 157% maior que o total do ano de 2014.

Saúde O grupo NotreDame Intermédica, do segmento de planos de saúde e seguro, vai abrir um centro clínico no Tatuapé, na zona leste de São Paulo. No país, a empresa tem 3 milhões de beneficiários e 56 clínicas.

*

Alves
hora do cafe charge
hora do cafe charge

com LUCIANA DYNIEWICZ, LEANDRO MARTINS, ISADORA SPADONI e DHIEGO MAIA

Fonte: Folha de São Paulo
www.folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *