Últimas

Veja detalhes do dispositivo de realidade virtual financiado pelo Google

A Magic Leap, empresa de realidade virtual financiada pelo Google, abriu um centro de desenvolvimento em Israel, o que pode indicar que em breve serão anunciadas novidades sobre o dispositivo que está desenvolvendo. No início do ano, a companhia recebeu a patente de uma tecnologia batizada de “realidade cinematográfica”, descrito como algo que proporcionará uma experiência em 3D mais realista do que as que existem até agora.

O projeto segue confidencial, mas pelas imagens do pedido é possível saber alguns detalhes. Entenda como ele deve funcionar:

Aparência
Reprodução

O pedido enviado ao escritório de patentes dos Estados Unidos mostra um par de óculos parecidos com o Google Glass, mas controlados por uma espécie de cinto. Na parte de trá há um fio que interliga os dois dispositivos.

Utilizações

Reprodução

De acordo com o documento, o usuário poderá fazer o download de objetos e paisagens armazenados na nuvem e também enviar o que visualiza em seu ambiente real. Assim, será possível integrar os dois e proporcionar uma experiência mais imersiva. 

Reprodução

A tecnologia poderia também ser utilizada em ambientes educacionais ou durante procedimentos complexos, como cirurgias. Na ilustração do pedido de patente é possível ver um médico usando como referência um coração 3D para garantir a precisão da operação.

Reprodução

Outras possibilidades são mais simples e já conhecidas, como assistir filmes, jogar, praticar exercícios e até melhorar a experiência de trabalho.

Reprodução

Como funciona?

O sistema detecta e mapeia a localização do usuário, une essas informações com as da nuvem e as ajusta aos movimentos. Na prática, qualquer conteúdo virtual pode ser redimensionado para caber no campo de visão da pessoa e interagir perfeitamente com seu ambiente, o que faz com que as imagens virtuais se pareçam bastante reais.

Reprodução

Por enquanto não há informações sobre a data de lançamento dos óculos da Magic Leap nem sobre a integração do sistema no produto. É importante lembrar que em muitos casos as patentes não chegam a sair do papel.

Via Business Insider e Mashable

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *