Últimas
auto escola

Autoescolas de Alagoas alugam simuladores para se adequarem à lei

Uso do equipamento é obrigatório no estado desde dezembro de 2014. Segundo sindicato, 95% das autoescolas do estado usam o equipamento.

 

Com a obrigatoriedade do uso de simuladores de trânsito para formação de novos motoristas vigente em Alagoas desde dezembro de 2014, 95% dos Centros de Formação de Condutores (CFC) do estado já utilizam os equipamentos. Para atender à lei, os donos das autoescolas do estado estão alugando as máquinas de uma empresa especializada.

O aluguel dos equipamentos foi, segundo o presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Estado de Alagoas, Joseilton de Carvalho, uma das alternativas encontradas pelo empresariado do setor para minimizar os custos, diante do preço da aquisição da máquina, que pode chegar a R$ 40 mil. Os outros CFCs que ainda não fazem uso do equipamento já estão buscando meios para se adequarem.

“Quando a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) saiu e o Detran de Alagoas tornou obrigatório o uso dos simuladores de trânsito, nós, dos CFCs, não tínhamos condições de comprar as  máquinas. Assim, das 4 empresas que fornecem o equipamento no Brasil, só uma trabalhava com comodato. Desta forma, conseguimos alugá-las e minimizar os custos imediatos”, disse Carvalho.

Segundo ele, em todo o estado há 82 autoescolas e 63 equipamentos em uso. Algumas das máquinas são compartilhadas por mais de um CFC. Para o treinamento dos alunos, a empresa responsável pelo aluguel dos simuladores cobra uma taxa de R$ 19,90 por hora-aula, e fornece assistência técnica e suporte 24 horas.

“O simulador é um equipamento que veio agregar uma nova capacitação pedagógica no nosso ensino. Essas aulas neles a gente fazia em um campo de futebol. Lá, os alunos e os professores ficavam expostos a todo tipo de risco. Além do que, agora, os alunos conseguem se preparar melhor para as provas práticas”, conclui o presidente do sindicato.

Máquina simula cenário e situações de trânsito reais (Foto: Jonathan Lins/G1)
Máquina simula cenário e situações de trânsito reais (Foto: Jonathan Lins/G1)

O estudante João Rocha, de 18 anos, que passou pelo treinamento no equipamento antes de pegar a direção de um carro de verdade aprovou o uso da tecnologia. “A experiencia é boa pra quem não tem prática porque passa confiança. No entanto, há uma diferença entre o simulador e o carro. Tanto que achei muito mais complicado fazer a baliza na vida real. No entanto, aprovei os exercícios na máquina”, conta.

A estudante Mariana Medeiros Soares, de 18 anos, que também encontra-se na fase das aulas práticas, relatou que a experiência no aparelho: “O simulador até ajuda, mas muitas coisas ainda são diferentes de quando você vai dirigir de verdade. Portanto, acho que o simulador não prepara para tudo”, falou.

Ainda no treino com simulador, Jackson Diego Oliveira da Silva acredita que experiência no equipamento vai ajudar bastante quando ele tiver que dirigir um carro de verdade. “Minha primeira experiência com um carro tem sido aqui no simulador. Eu acredito que quando for dirigir um de verdade vou estar mais seguro”, completa.

No simulador acontecem as aulas iniciais para os novos motoristas. Eles primeiro devem passar por aulas teóricas e fazer uma prova escrita. Se aprovados, começam as aulas no simulador. São 7 aulas ao todo antes de irem para a rua (veja no vídeo abaixo como o simulador de direção funciona).

Briga na Justiça
Em 2014, a resolução nº 493/2014 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinava que o uso do simulador pelos CFCs era facultativo.

No entanto, o Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran) resolveu que, a partir de 1º de dezembro daquele ano, o uso seria obrigatório.

A determinação gerou polêmica, pois os donos das autoescolas alegavam que não poderiam arcar com os custos desses equipamentos, que podem chegar a R$ 40 mil. O assunto foi parar na Justiça, que concordou com o Detran sobre a obrigatoriedade.

No último dia 20, o Contran determinou que, a partir de 2016, o simulador será obrigatório em todo o país para tirar carteira de habilitação na categoria B (carros).

CNH mais cara
Ao pedir que a Justiça mantivesse a obrigatoriedade do simulador, o Detran-AL alegou que ele permitiria uma economia no custo do processo em relação a um aumento no número de aulas práticas, sobretudo por causa do preço alto dos combustíveis.

Desde dezembro do ano passado, no entanto, a CNH da categoria B ficou mais cara em Alagoas, passando de R$ 750 para R$ 1.208. Esse valor inclui uma taxa de R$ 152,36, do Detran, e a das avaliações clínica e psicológica, que somadas chegam a R$ 105,21.

As autoescolas oferecem 45 aulas teóricas no valor de R$ 150, e outras 25 práticas, por R$ 800. As aulas no simulador estão incluídas nesse valor. São 7 no total, que somadas chegam a um valor médio de R$ 140.

Porém, segundo o presidente do sindicato dos CFCs do estado, o aumento do valor da 1ª habilitação não tem a ver com o uso dos simuladores. “O preço subiu porque houve um aumento na carga horária das aulas, que passou de 20 para 25 horas. Apesar do valor alto, ainda temos a carteira de motorista mais barata do país. Em Fortaleza, por exemplo, a habilitação custa R$ 1.600, sem o simulador”, afirma Joseilton Carvalho.

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *