Últimas

Grupo de deputados prepara manifesto para tirar Cunha da presidência da Câmara

Um grupo de deputados contrários ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), redigirá um manifesto solicitando a saída do peemedebista do comando da Casa tão logo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente a denúncia contra ele ao Supremo Tribunal Federal (STF). A Procuradoria-Geral da República (PGR) deve denunciar, no máximo até amanhã, Cunha e o ex-presidente da República e senador Fernando Collor (PTB-AL) por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. A informação foi confirmada nesta tarde por fonte com acesso às investigações.

“Sou favorável que ele se afaste tão logo a denúncia seja feita” disse a deputada Eliziane Gama (PPS-MA). Doze deputados do PT, PSB, PSOL, PSC e PPS reuniram-se por mais de uma hora na liderança do PSOL para tratar do assunto. “Percebo que a manutenção do Cunha na presidência da Câmara pode ser ruim para a Casa”, afirmou a deputada Maria do Rosário (PT-RS). Os deputados também devem se revezar em discursos para constranger Cunha na sessão desta quarta-feira.

Caso o STF acate a denúncia, o PSOL promete ir além, ingressando com uma representação no Conselho de Ética da Câmara solicitando a cassação de Eduardo Cunha por quebra de decoro parlamentar.

Na primeira reunião da CPI da Petrobras após a apresentação da denúncia, os deputados farão pressão para que sejam convocados Cunha e o lobista Julio Camargo, que acusou o peemedebista de cobrar propina de US$ 5 milhões no esquema de corrupção que envolve a estatal.

“Eduardo Cunha está fragilizado. A denúncia fragiliza a lógica de Cunha de se defender atacando o governo. Essa tática cansou”, afirmou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

Para o deputado, ele tem que se afastar do cargo para não interferir nas investigações. “Ele tem poder de atrapalhar as investigações”, disse Valente.

O parlamentar diz que é preciso observar como os aliados de Cunha irão se portar após a apresentação da denúncia. Integrantes da cúpula do PSDB dizem que o partido deve manter uma “distância regulamentar” do presidente da Câmara. A avaliação dos tucanos é que Cunha não tem mais como voltar atrás da sua postura de atuar contra o governo e não lhe resta outra atitude são continuar a ofensiva.

“Cunha queimou os navios. Não tem mais como ele se recompor com a Dilma”, diz o deputado Marcos Pestana (PSDB-MG). Questionado sobre uma eventual condenação de Cunha, ele disse que o deputado ainda não foi condenado.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *