Últimas

Mauro Ferreira: Fafá volta a ser de Belém em disco tecnobrega

Rio – Projetada em 1975 com samba de cadência baiana, Fafá de Belém sempre valorizou a origem paraense. Seu primeiro LP, ‘Tamba-tajá’ (1976), trouxe músicas do Norte. Por isso, o disco comemorativo dos 40 anos de carreira da artista, ‘Do tamanho certo para o meu sorriso’, faz sentido dentro da discografia dessa cantora de alma popular. Produzido pelos guitarristas Manoel Cordeiro e Felipe Cordeiro (pai e filho), o disco conecta Fafá à atual cena musical do Pará.

Lançado pela Joia Moderna, gravadora do DJ Zé Pedro, o disco tem tom tecnobrega. É CD popular, como já sinalizou ‘Volta’, ‘single’ lançado oficialmente ontem, dia em que Fafá fez 59 anos. A cantora regrava o hit do cantor e compositor pernambucano Johnny Hooker com propriedade.


Fafá de Belém assina com o DJ Zé Pedro a ideia do disco produzido por Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro

Foto:  Divulgação

INÉDITA DE DONA ONETE

Felipe e Manoel Cordeiro pilotam todos os instrumentos de todas as dez músicas do CD. Com a voz em boa forma, Fafá aumenta o quilate de temas como ‘Pedra sem valor’, inédita da compositora paraense Dona Onete. “Você não é ninguém”, sentencia a cantora de tom caloroso. Por mais que seja voltado para o tecnobrega paraense, ‘Do tamanho certo para o meu sorriso’ se alinha com o tom despudorado dos hits pregressos de Fafá.

Não é à toa que a cantora regrava ‘Usei você’, música do compositor Silvio César lançada em 1971 por Angela Maria, cantora referencial na carreira de Fafá a partir dos anos 1980. O disco é alegre, solar. Inédita de Felipe e Manoel Cordeiro com Zeca Baleiro, ‘Asfalto amarelo’ é convite para percorrer trilhas interioranas de um Brasil ainda pouco desbravado. ‘Vem que é bom’ (Ronery e Manoel Cordeiro, 1990) refaz o convite, mas para dança, no ritmo do merengue.

HITS DA BANDA SAYONARA

Em sintonia com o espírito popular de sua obra, Fafá regrava dois hits da banda paraense Sayonara, ‘Quem não te quer sou eu’ (Firmo Cardoso e Nivaldo Fiúza) e ‘Os passa vida’ (Osmar Jr. e Rambolde Campos), de 2002 e 2004. São músicas menores do que Fafá. Mas a cantora põe tudo do tamanho de seu sorriso. O título do disco, aliás, vem de ‘O gosto da vida’, música feita pelo compositor Péricles Cavalcanti para Fafá, lançada pela cantora em 1982 e agora turbinada neste disco feliz. A gravação atual tem mais pegada do que a original.

Autor de ‘Ex mai love’, sucesso da paraense Gaby Amarantos, o compositor Veloso Dias forneceu para Fafá ‘Meu coração é brega’, música que já traduz no título a alma dessa cantora que optou por ser uma voz do povo, para o qual explicita o romantismo de ‘Ao pôr do sol’ (Firmo Cardoso e Dino Souza, 1987). Tudo do tamanho largo de seu sorriso.

Originalmente matéria publicada no Jornal O Dia (http://odia.ig.com.br)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *