Últimas

Recife sediará o encontro sobre a importância da efetivação do direito das mulheres à terra

O auditório do Centro de Artesanato (Cape) no Marco Zero será o palco do encontro “Políticas Inclusivas e Equitativas: a importância da efetivação do direito das mulheres à terra”, promovido pelo Espaço Feminista, da Landesa  – Rural Development Institute e do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Pernambuco (Iterpe), além de contar com o apoio da Comissão Huairou, da International Land Coalition – ILC LAC e Secretaria da Mulher do Recife.

De acordo com a organização, a ideia do encontro é trazer a discussão sobre o desenvolvimento sustentável do Pós-2015 – debate sobre o tema promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na programação, serão apresentados os princípios, diretrizes e as formas de efetivação do direito das mulheres à terra e aos recursos naturais e produtivos. Uma estimativa frequentemente citada é de que as mulheres constituem metade da população mundial, um terço da força de trabalho oficial, fazem dois terços do trabalho, mas ganham apenas um décimo da renda e possuem apenas 1% da propriedade mundial (ONU, 1980).

A diretora do Espaço Feminista, Patrícia Chaves, destaca a necessidade de encarar a desigualdade de gênero na agenda internaciona. “Queremos discutir essas questões sobre o acesso da mulher à terra e apresentar dados atualizados sobre essa situação no país. Além disso, queremos obter o apoio de governos e sociedade civil no sentimento de um engajamento para implementar essa nova agenda e monitorar essa implementação de forma que possamos reverter o quadro atual, inclusive da imensa desigualdade racial e étnica com políticas inclusivas”, explica.

Tese endossada pela diretora técnica do Interpe, Maria de Oliveira, que explica que trazer essa discussão de gênero e terra para o Nordeste, especialmente para Pernambuco, é de extrema importância já que o Estado é referência na regularização fundiária. “Historicamente no Brasil, Pernambuco registra avanços e conquistas pela luta agrária e também é o Estado onde um grupo de mulheres decidiram, nos anos 80, realizar um evento de mulheres para mulheres e trouxeram como símbolo uma guerreira paraibana, Margarida Alves, assassinada em 83”, comenta.

Objetivos específicos:
1. Apresentar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) do Pos-2015 e o processo de negociação em curso;
2. Discutir a pertinência e adequação do material de sensibilização e advocacy produzido pela cooperativa internacional Landesa sobre o direito das mulheres à terra na agenda Pós-15;
3. Sensibilizar a sociedade civil, grupos de mulheres e governos sobre a importância do engajamento no processo de implementação e no monitoramento dessa agenda;
4. Apresentar as Diretrizes Voluntária da Governança Responsável da FAO, com foco no direito das mulheres à terra.

Serviço:
Encontro de ‘Políticas Inclusivas e Equitativas: a importância da efetivação do direito das mulheres à terra’.
Quando: Sexta-feira (07).
Onde: Auditório do Centro de Artesanato (Cape), no Marco Zero.
Horário: das 8h às 16h.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *