Últimas

Rottweiler é um cão ideal para casas e sempre pronto para defender o dono

O veterinário Hoberdan Fernando Magalhães e seus sobrinhos Pedro Augusto e Luana Beatriz, de 2 anos, e Sophia Kellem, de 4, convivem bem com a cadela Rhara, de 6. Foto: Túlio Santos/ EM/ D. A Press
O veterinário Hoberdan Fernando Magalhães e seus sobrinhos Pedro Augusto e Luana Beatriz, de 2 anos, e Sophia Kellem, de 4, convivem bem com a cadela Rhara, de 6. Foto: Túlio Santos/ EM/ D. A Press

Robusto e imponente por natureza, muitas vezes o rottweiler é confundido com um cão perigoso, assustador e agressivo. Imagem distorcida de uma raça que tem na essência a proteção. O médico-veterinário Hoberdan Fernando Magalhães Souza, criador e diretor-técnico do Kennel Clube BH, entidade sem fins lucrativos com atuação voltada para o incentivo e divulgação da criação de cães de raça pura e que atua como cartório de registro desses animais, assegura que “o rottweiler é um cão de guarda que impõe respeito, é tranquilo, convive bem com as crianças e faz a proteção do ambiente e das pessoas de que gosta”.

Hoberdan explica que o rottweiler é um cão de confiança e autocontrole. “Ele é seguro, tem a autoestima lá em cima e sabe do seu potencial. Não late para assustar as pessoas. Sua preocupação sempre é o dono e, se percebe na visita, por exemplo, uma condição amistosa e não vê ameaça, fica indiferente.” Por isso, ele ensina que é importante que o proprietário tenha contato próximo com o cão, sem restrição, e faça-o conviver com as crianças. E alerta que o rottweiler não é para ficar solto num churrasco, no meio de uma festa, porque sua convivência é com a família. “Com o estranho, ele agirá como cão de guarda.”O médico-veterinário diz que o rottweiler é uma raça própria para casa porque ele precisa de espaço para exercitar, é um cão de grande massa muscular. Ele precisa de boa alimentação, ração de qualidade (duas vezes ao dia para o adulto e de três a quatro para o filhote), e de água fresca sempre à disposição.

Como criador, Hoberdan avisa que, ao adquirir o rottweiler (assim como todo animal), é importante conhecer o pai e a mãe para saber da índole do cão. “Ter um rottweiler com registro da genealogia é garantia de linhagem pura, é saber que adquiriu um cão com as características físicas e psicológicas que procura. Caso contrário, será sem padrão, sem referência e um risco.”

Cuidados

Hoberdan fala que o rottweiler requer cuidados simples e básicos. Banho a cada 15 dias e uma escovação por semana para mantê-lo limpo. Para sair, sempre usar a guia, equipamento de contenção, como deve ser para todo animal. Quanto ao adestramento, ele lembra que, se quiser ou for preciso, é importante, porque o adestramento suaviza a relação entre cão e proprietário. Ele conta que a raça, muito inteligente, “aceita facilmente o comando e tem aprendizagem rápida.É preciso ter atenção com a vacinação. Apesar de não ter cuidados especiais ou doenças específicas, a saúde do rottweiler não pode ser negligenciada. “É importante ter acesso aos exames de controle genético de doenças. É preciso ter cuidado porque ele pode ter displasia coxofemoral, um problema de quadril, de dor e desgaste que dificultara a locomoção. Para evitar, é fundamental o controle prévio no acasalamento dos pais.”

Portanto, quem tem alguma resistência pode jogar por terra a imagem errada. É hora de desmistificar. Além de bonito, o rottweiler é fácil de lidar dentro de casa. Ele não late à toa, não fica agitado e quem tem um, normalmente, não troca mais de raça. Ele agrega dois perfis fundamentais: tem a real funcionalidade, é um cão família e protetor, além de ser ágil e corajoso. Vale lembrar que um filhote de linhagem pura varia de R$ 1,5 mil a R$ 3 mil. E o conselho de Hoberdan para quem vai comprar um cachorro, seja qual for, é lembrar que “ele ficará com você, no mínimo, por 10 anos. Por isso, tem de saber o perfil da raça e se combina com o de quem está adquirindo”.

Perfil

Origem: Alemanha
Função: guarda
Tamanho: machos, de 61cm a 68cm na cernelha (ombro ao chão); e fêmeas, de 56cm a 63cm na cernelha
Tempo médio de vida: entre 12 e 15 anos
Comportamento/temperamento: é amigável e pacífico, muito apegado à família, fácil de conduzir e ávido por trabalho. É autoconfiante, com coragem e nervos firmes. Sempre atento a tudo que o cerca, reage com grande presteza.
Aparência geral: é um cão robusto e grande. Sua estrutura, em proporções corretas, forma uma figura compacta, forte e bem proporcionada, revelando potência, agilidade e resistência.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *