Games podem ensinar as pessoas a controlarem nervosismo e ansiedade

Nos últimos anos, desenvolvedoras de games estão integrando a tecnologia e a popularização de sensores, como o leitor biométrico e de batimentos cardíacos, aos jogos, permitindo que o usuário avance na narrativa de acordo com seu estado mental. Chamada de biofeedback, a técnica aplicada aos games pode pode ensinar as pessoas a controlarem sua ansiedade fora do jogo.

Um exemplo de aplicação da tecnologia é o Nevermind, um título de terror indie que funciona com uma espécie de cinto de monitor de frequência cardíaca. O desafio é manter os batimentos sob controle à medida que cenários assustadores são exibidos. Cada vez que o jogador fica nervoso, uma dificuldade é adicionada ao jogo, como por exemplo uma camada que escurece o cenário e torna a visão mais fraca.

Um dos desenvolvedores explica que o objetivo de Nervermind é ajudar as pessoas a controlarem sua ansiedade e estresse. “À medida que os jogadores avançam, começar a perceber “Quando meus ombros estão tensos, o jogo responde a isso. Então eles começam a conectar o que é apresentado nas telas com reações internas sutis que, acredito, muitos aprenderão a ignorar na vida cotidiana”, conta Erin Reynolds, diretor de criação do estúdio criador do jogo.
 
[embedded content]

Biofeedback

Outro exemplo de uso do biofeedback nos games é o MindLight, um jogo desenvolvido pelo estúdio GainPlay para crianças que sofrem de transtornos de ansiedade, que usa um leitor de eletroencefalograma para detectar ondas cerebrais alfa, presentes quando o jogador está calmo, ou ondas beta, quando as pessoas estão em estado de alerta ou atenção.

O cenário de MindLight também é assustador e, quando se acalmam, os jogadores podem usar um chapéu mágico que afugenta os monstros.

Dificuldades

A principal dificuldade no desenvolvimento de games como esses é o custo dos acessórios que monitoram os batimentos ou ondas cerebrais dos usuários. De acordo com especialistas na área, a solução é utilizar equipamentos que o usuário já possui, como smartphones, para realizarem a tarefa.

Esse é o caso do Go to Beat, game para celular que ensina o jogador a manter sua frequência cardíaca em uma faixa específica usando a lanterna e a câmera d celular. Enquanto a luz ilumina o dedo da pessoa, a câmera grava um vídeo que é enviado ao game. Por lá, um algoritmo calcula a média de batimentos e o fluxo sanguíneo do usuário.

Ainda não há evidências científicas de que jogos que usam o biofeedback ajudem as pessoas a controlarem a ansiedade, mas pesquisadores já começaram a estudar os efeitos do Nevermind em pacientes que serão submetidos a cirurgias.

Via Technology Review

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *