Últimas

Policiais Civis anunciam Outubro de Mobilização com paralisações pelo Estado

Policiais civis decidiram, ontem à noite, que realizarão um Dia de Mobilização na última semana de setembro, quando pretendem voltar a demarcar o número de vítimas da violência em Pernambuco, possivelmente no Alto da Sé, em Olinda, além de anunciar o Outubro de Mobilização, com paralisações pelo estado. “Não vamos parar até que o Governo de Pernambuco melhore as condições de trabalho”, advertiu o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol/PE), Áureo Cisneiros. E acrescentou a decisão de ingressar com ações judiciais contra o secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, o corregedor-geral, Servilho Paiva, e o chefe da Polícia Civil, Antônio Barros.

As decisões foram tomadas na sede do Sinpol/PE, em Santo Amaro, Região Central do Recife, em assembleia convocada para que a categoria autorizasse a diretoria a iniciar visitas às delegacias para articular a adesão aos atos. Segundo Áureo Cisneiros, 450 agentes e escrivães participaram das deliberações, incluindo cerca de 50 do Interior, oriundos de Afogados da Ingazeira, Araripina, Caruaru, Floresta, Garanhuns, Goiana, Palmares e Santa Cruz do Capibaribe.

Ainda segundo o presidente do Sinpol/PE, a idéia é ampliar o movimento de entrega dos postos do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES). Isso, mesmo diante da pressão para agentes e escrivães continuarem “vendendo suas folgas por um quarto (25%) do valor normal”, em vez de receberem como horas extras, que na iniciativa privada são pagas com acréscimo de pelo menos 50% sobre o valor da hora normal. “Não vamos mais aceitar essa exploração”, disse Áureo Cisneiros, acrescentando que agentes e escrivães também não recebem adicional noturno.

Para Áureo Cisneiros toda a mobilização tem levado o Governo de Pernambuco a realizar uma perseguição, desde a anotação de mais de 200 faltas contra agentes e escrivães que participam dos atos, mesmo estando em férias, até a abertura arbitrária de processos administrativos. O Sinpol/PE reage com ações judiciais como a de pedido de interdição da 3ª Delegacia de Plantão de Caruaru, denúncias ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE), denúncias públicas da perseguição como a realizada em audiência pública na Assembleia Legislativas de Pernambuco (Alepe), e, agora, contra o comando e a Corregedoria da SDS e a chefia da Polícia Civil. Além disso, a exposição pública da insegurança, repetindo em outro ponto forte do turismo de Pernambuco a fixação de milhares de cruzes representando os assassinatos, como a realizada em Boa Viagem, no mês passado.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *