Últimas

Canibais de Garanhuns voltam a ser julgados por mortes no Agreste

Trio foi condenado, em novembro passado, por morte de adolescente em Olinda. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press
Trio foi condenado, em novembro passado, por morte de adolescente em Olinda. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Os Canibais de Garanhuns voltam a sentar no banco dos réus nesta quinta-feira. Após mais de vinte horas de julgamento em novembro passado, Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 51, Isabel Cristina Pires da Silveira, 51, e Bruna Cristina de Oliveira da Silva, 22, foram condenados pela morte, esquartejamento, ocultação de cadáver e prática de canibalismo contra a adolescente Jéssica Camila, de 17 anos. O crime aconteceu em 2008, em Olinda, e os envolvidos alegaram participar de uma seita denominada “Cartel”. Para eles, a morte brutal da vítima era uma forma de purificação. Desta vez, eles voltam a ser interrogados, mas pelas mortes que aconteceram no Agreste.

Barbárie em Garanhuns

A primeira audiência de instrução e julgamento sobre os homicídios qualificados contra Alexandra Falcão da Silva, de 20 anos, e Giselly Helena da Silva, 31, será no Salão do Júri do Fórum de Garanhuns, às 9h. A juíza da 1ª Vara Criminal de Garanhuns, Pollyianna Maria Barbosa, vai presidir a sessão. Serão ouvidas 20 testemunhas entre acusação, arroladas pelo Ministério Público de Pernambuco, e defesa. Os acusados também deverão ser ouvidos.

Condenados no último ano, Jorge Beltrão cumpre pena no Presídio Desembargador Augusto Duque, em Pesqueira, e as mulheres estão na Colônia Penal Feminina de Buíque.

Relembre o caso
Em covas rasas cavadas no terreiro de uma típica construção de porta e janela comum no interior, policiais da delegacia de Garanhuns, a 220 quilômetros do Recife, fizeram uma descoberta que, ao mesmo tempo, punha fim à angústia de duas famílias da cidade e dava início a uma história chocante até para quem lida diariamente com crimes e mortes. Na tarde do dia 11 de abril de 2012, após investigações que revelaram o envolvimento de Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 51, Isabel Cristina Pires da Silveira, 51, e Bruna Cristina de Oliveira da Silva, 22, no desaparecimento de duas jovens moradoras da cidade, os corpos de Giselly Helena e Alexandra Falcão foram localizados.

A forma como os restos mortais foram encontrados já dava aos peritos as primeiras pistas da complexidade dos crimes. Os corpos das mulheres foram esquartejados e partes dos músculos retirados. Mal sabiam os policiais, mas a prisão dos três moradores da casa, que formavam um triângulo amoroso, era o primeiro passo para a revelação de detalhes de uma série de crimes que podem ter feito pelo menos oito vítimas em território pernambucano e paraibano – todas mulheres jovens.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *