Últimas

Dia do Macarrão: Saiba quais as combinações de molho para cada tipo de massa

Massa nasceu na China e foi trazida para a Itália pelo explorador Marco Polo, por volta do século XII. Foto: Maria Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press
Massa nasceu na China e foi trazida para a Itália pelo explorador Marco Polo, por volta do século XII. Foto: Maria Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press

Espaguete, talharim, penne, fetuccine, não importa o tipo ou a forma, a verdade é que o macarrão – seja ele qual for – vem conquistando as famílias brasileiras desde que foi introduzido no país com a imigração italiana, em meados de 1870 e 1920. Para celebrar essa comunhão desde 2014, no Brasil, se comemora o Dia do Macarrão, que já era bastante popular em diversos países do mundo como Estados Unidos, Venezuela, Alemanha, Turquia, entre outros.Há várias versões para a origem do macarrão, uma parte da história conta que a pasta nasceu na China (há mais de 3 mil anos a.C.) e foi trazida para a Itália pelo explorador Marco Polo, por volta do século XIII. Com isso, acabou sendo popularizada pelos italianos que acrescentaram uma grande variedade de molhos e formatos ao alimento. Mas há quem diga que os árabes já usavam o macarrão antes do explorador e ainda que a pasta como conhecemos hoje foi inventada mesmo no país europeu.

E são muitas as opções. Nas massas longas (que combinam melhor com molhos mais líquidos, puxadas na manteiga ou no alho e óleo). Podemos encontrar fetuccine, espaguete, talharim, pappardelle, ninho, fidelini, linguine e cabelo de anjo, este último também utilizado na fabricação de alguns doces.

Nas massas mais curtas temos o penne, o fusili (também conhecido como macarrão parafuso), rigatone, tortiglioni, gravata, caracol e conchiglioni. O melhor tipo de molho para esses macarrões são os mais cremosos, podendo variar entre queijos (gorgonzola, parmesão, quatro queijos), vegetais, iogurte e até carne.

Amantes da pasta podem escolher entre curtas, longas e para sopas. Fotos: Bruna Monteiro Esp.DP/D.A Press; Newman/Divulgacao e Roberto Ramos/DP/D.A Press.
Amantes da pasta podem escolher entre curtas, longas e para sopas. Fotos: Bruna Monteiro Esp.DP/D.A Press; Newman/Divulgacao e Roberto Ramos/DP/D.A Press.

Por fim, ainda temos os tipos para sopas. A maioria com nomes no diminutivo como argolinha, letrinhas, conchinha, estrelinha e o fideli. Elas combinam com vários tipos de sabores e são interessantes inclusive para distrair a criançada na hora do jantar, dado ao formato mais interativo.

Vale lembrar que o macarrão também varia entre massa fresca (feita em casa) e seca (que passa por produção industrializada) e que as diferenças são geralmente identificadas nas embalagens do produto. Elas são segmentadas em comum, de sêmola – tida como uma massa mais nobre, de sêmola com ovos (geralmente com adição de três ovos por quilo de farinha), grano duro, integral e com vegetais.

Massa pode ser seca - quando passa por processo industrial, ou fresca (feita de forma artesanal). Foto: Maria Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press
Massa pode ser seca – quando passa por processo industrial, ou fresca (feita de forma artesanal). Foto: Maria Eduarda Bione/Esp.DP/D.A Press

CURIOSIDADES

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoito, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados (ABIMAPI) o Brasil é o terceiro maior mercado produtor e consumidor de macarrão do mundo, ficando atrás somente da Itália e dos Estados Unidos.

Em dados nacionais o Nordeste fica em segundo lugar com 29,7% da média de consumo. Nossa região perde apenas para o Sudeste que é responsável por 43,1% da demanda.

O dia do macarrão é comemorado mundialmente no dia 25 de outubro e foi criado durante o I Congresso Mundial da Pasta em 1995.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *