Últimas

Doriva alfineta Osorio e diz que está montando “time compacto”

O técnico Doriva deixou um pouco o discurso dos seus primeiros dias no São Paulo, quando tudo parecia estar sob controle, e respondeu aos questionamentos pelos maus resultados que acumulou em seus três primeiros jogos pelo clube na entrevista coletiva desta sexta-feira, no CCT da Barra  Funda. Para o treinador, a equipe atuava sem compactação sob a batuta de Juan Carlos Osorio e ele está tentando corrigir isso para adequá-la ao “futebol que se joga no mundo inteiro”.

“O São Paulo jogava de uma maneira descompactada, jogava com um ataque sem funções defensivas, sem ajudar na marcação, e eu gosto de compactar a equipe ofensiva e defensivamente. Em todo o mundo se vê isso, no melhor futebol que se joga você vê uma equipe em que o ataque marca e a defesa ataca. Isso não existia no São Paulo”, avaliou o comandante, sendo político na sequência. “Mas eu não posso comentar o trabalho do meu antecessor. Só estou falando o que vi aqui”, completou.

De acordo com a avaliação de Doriva, isso pôde ser observado logo na sua estreia, contra o Fluminense, no Maracanã, quando o Tricolor foi amplamente dominado pelos cariocas e pouco criou. Contra o Vasco, ele observou um maior entendimento dos atletas aos seus pedidos, mas uma demonstração da melhora só foi consolidada, na sua avaliação, diante do Santos, mesmo com a derrota por 3 a 1.

“Nós conseguimos apresentar essa compactação.  Eles estão entendendo, nesse jogo do Santos a gente conseguiu manter o Santos no campo defensivo e, automaticamente, estávamos no campo ofensivo. Além disso, nós ainda pleiteamos a segunda bola e conseguimos ter um bom aproveitamento”, avaliou.

Triste com os gols perdidos e a dificuldade que terá de encarar na semana que vem, na Vila Belmiro, quando os seus comandados terão de vencer por três gols de diferença para assegurar uma vaga na final da Copa do Brasil, o treinador fez questão de lembrar que não pode entrar em campo para fazer os gols ou evitá-los.

“Nós controlamos a performance. Erro e acerto, não, aí é qualidade do atleta. E é algo que temos bastante. Nesse jogo não fomos eficientes, tivemos as chances e não fizemos. Não podemos tomar tantos gols também, principalmente esses que a gente tomou. Temos que melhorar o nosso nível de concentração porque a defesa da bola parada parte muito de a gente estar concentrado e reagir rápido”, encerrou.

Fonte – Gazeta Esportiva

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *