Últimas

Entenda como funciona a tela 'inquebrável' do Moto X Force

Uma pesquisa feita pela Motorola diz que 53% dos usuários de smartphones em todo o mundo já tiveram a tela de seu aparelho estilhaçada. Outros 21% continuam usando o celular mesmo com o display danificado, por conta do custo do reparo e da dificuldade para encontrar uma assistência técnica confiável.

Foi pensando nessa fragilidade que a Motorola desenvolveu uma tecnologia chamada Shattershield. É graças à ela que seu novo smartphone top de linha, o Moto X Force, anunciado nesta quinta-feira, 29, no Brasil, vem com o que a empresa garante ser uma tela “inquebrável”.

Em nossos testes preliminares, e também nas experiências feitas por outros veículos, ficou claro que o Shattershield de fato mantém o aparelho incrivelmente resistente a trincas e estilhaçamento. Como isso é possível? Trata-se de uma tecnologia de proteção desenvolvida ao longo de três anos pela Motorola.

O sistema integrado do aparelho conta com cinco camadas que permitem um alto nível de resistência sem sacrificar o design, espessura ou o peso do aparelho. Na camada mais baixa fica a tela de AMOLED flexível, capaz de absorver impactos e proporcionar alta qualidade de imagens.

Reprodução

Em seguida vem uma dupla camada touchscreen, que dá mais profundidade e resistência aos comandos sensíveis ao toque do display. Sobre ela está uma lente integrada, projetada para ser mais flexível que o vidro, mas mantendo nitidez e transparência.

Por último vem a lente externa, uma camada extra de proteção e com revestimento especial desenvolvida pela Motorola. A quinta camada, abaixo de todas elas, é o chassi de alumínio que envolve as outras “fatias” do Shattershield. Com isso, por mais que o Moto X Force não seja totalmente indestrutível, a tela é, sem dúvida, muito mais resistente do que a dos concorrentes.

A fabricante, porém, alerta que o sistema foi criado para manter a integridade do smartphone mediante impactos ou quedas corriqueiras. Além disso, é importante lembrar que a tela pode até ser quase indestrutível, mas o smartphone, em si, não é.

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *