Maré Cheia: Com vazão do Rio São Francisco, água começa a chegar salgada nas torneiras de Piaçabuçu

Moradores de Piaçabuçu, relatam que a redução da vazão do rio já atinge duramente a região prejudicando a navegação, o abastecimento de água, a agricultura irrigada, a pesca artesanal, as atividades do turismo e, sobretudo, a Biodiversidade.

Durante a maré cheia a população da cidade e dos Povoados Potengy, Sudene e Mandim já sentem o gosto da água salgada nas torneiras.
“Essa semana a agua estava tão salgada que não dava nem para lavar roupa. Tive que esperar a maré secar.” Relatou Carmelita moradora do Potengy.

Dona Josefa destaca que algumas consequências geradas pelos problemas envolvendo a perda de Ecossistema já são irreversíveis. “Os impactos físicos do assoreamento são vistos com os enormes bancos de areia, impedindo a navegação dos barcos. Os peixes estão desaparecendo. Além desses problemas, as ações de repovoamento das espécies são insuficientes para garantir a continuidade das espécies”, relata.

Atualmente para chegar até a foz os comandantes de embarcações fazem uma espécie de “zig-zag” para não bater em nenhum banco de areia. No total, mais de 20 mil habitantes da região dependem do Rio São Francisco para sobreviver.

Vereador Dr. Lú Solicitou uma Audiência  Pública

Vereador Dr. Lú Solicitou uma Audiência Pública

Vereador Convoca Audiência Pública.

O Vereador Dr. Lú em sessão ordinária solicitou que fosse feito uma audiência pública com a Agência Nacional das Águas (ANA), Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF), Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), e outros órgãos competentes, além da participação da população para que juntos possam chegam a uma solução para tentar resolver esse problema.

“Esses dias fui tomar banho e sentir um gosto muito forte de sal da boca e fiquei me perguntando, eu sentir esse gosto hoje, mas e a população à quanto tempo sentem esse gosto. Acredito que essa audiência seja a melhor solução”. Finalizou o Parlamentar.

 

Por Piacabucunews

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *