Mercado de PCs e Windows Phone fazem receitas da Microsoft caírem

A Microsoft anunciou nesta quinta-feira, 22, os seus resultados trimestrais, com alguns números desanimadores. A empresa viu cair o faturamento nos últimos três meses, que representam o 1º trimestre no calendário fiscal da empresa, totalizando US$ 20,37 bilhões. Em comparação, no mesmo período do ano anterior, o número era de US$ 23,20 bilhões.

Há alguns vilões a serem culpados pela queda em faturamento. Uma delas é o mercado de PCs, que vem progressivamente declinando nos últimos anos, impactando o desempenho financeiro do Windows. Segundo a Microsoft, a queda no licenciamento do Windows para fabricantes caiu em 6% em comparação ao mesmo período do ano passado. No entanto, o número ainda é melhor do que a média geral do mercado de PCs.

O Windows Phone também tem sua parcela de culpa, provavelmente pelo fato de a Microsoft passou mais de um ano sem lançar um aparelho top de linha, que geram os maiores lucros e receitas e ajudam a divulgar a capacidade da marca. A companhia revelou que o faturamento nessa área de telefones declinou em 54%. Ou seja: caiu mais da metade na comparação com o mesmo período do ano passado.

De uma forma mais resumida: a área de dispositivos pessoais foi responsável pela maior parte do estrago. Até as vendas relacionadas ao Surface viram uma queda (de US$ 908 milhões para US$ 672 milhões), mas isso se deve ao fato de que o Surface Pro 3 foi um sucesso no ano passado, lançado em junho. O seu sucessor só foi apresentado em outubro, deixando o trimestre passado vazio em termos de novos tablets, o que deixa a comparação desbalanceada.

De boas notícias: o Office vai bem, chegando a 18,2 milhões de assinantes do Office 365; os serviços em nuvem da empresa também, com um salto de 8% nas receitas; o Bing cresceu em 29% seu faturamento, muito graças a adoção rápida do Windows 10, e o número de usuários ativos mensais da Xbox Live também aumentou em 28%, chegando a 39 milhões.

 As receitas com a venda de consoles Xbox diminuíram, no entanto; segundo a Microsoft, isso se deve ao volume cada vez menor de pessoas comprando um Xbox 360. Contudo, no geral, as receitas com a área de jogos aumentaram em 6%.

Fonte: Olhar Digital
Matéria originalmente postada no site olhardigital.uol.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *