Últimas

MPE recorre de decisão que soltou motorista alcoolizada que matou duas pessoas

O Ministério Público Estadual (MPE) entrou com um recurso contra a decisão judicial que deu a liberdade provisória para a administradora Juliana Cristina da Silva, de 28 anos, que estava embriagada quando atropelou e matou os operários José Hairton de Andrade, de 53 anos, e Raimundo Barbosa dos Santos, de 38 anos, na madrugada do último domingo.

Ela foi presa em flagrante tentando fugir do local do acidente. O teste do bafômetro constatou que ela tinha 0,85 miligramas de álcool por litro de ar expelido pelo pulmão. O máximo permitido é 0,05 mg. Um dia depois ter sido detida, a acusada por homicídio ganhou a liberdade provisória da Justiça em um audiência de custódia do Fórum da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo. O advogado da administradora de empresas, Bruno Araújo, disse que só vai falar por sua cliente após a decisão sobre o pedido do MPE.

Ela ficou presa pouco mais de 24 horas e foi libertada após pagar fiança de 20 salários mínimos (R$ 15.760). O juiz Paulo de Abreu Lorenzino, que deu o benefício à acusada, entendeu que ela é ré primária e tem endereços e trabalho fixos. Além do pagamento do valor, o magistrado também exigiu que ela não saia de São Paulo por mais de 30 dias sem comunicar a Justiça e que fica em casa das 22h às 6h.

Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria originalmente publicada pelo site Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *